ANÁLISE–Maduro terá mais poderes sobre petróleo mesmo após reversão de tomada do Congresso

segunda-feira, 3 de abril de 2017 14:51 BRT
 

Por Alexandra Ulmer

QUITO, Equador (Reuters) - O Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela (TSJ) pode ter feito emendas em parte de sua explosiva decisão de assumir o controle do Congresso de maioria opositora, mas ainda assim dá ao questionado presidente socialista Nicolás Maduro novos e amplos poderes sobre a vasta riqueza do petróleo do país-membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

A reversão de sábado aconteceu em reação às acusações de líderes políticos do mundo inteiro e às manifestações de rua na Venezuela que acusaram a corte pró-governo de, na prática, transformar Maduro em um ditador.

Embora o tribunal tenha recuado de sua decisão de quarta-feira de se apossar do legislativo, manteve em vigor a nova autoridade concedida a Maduro para fazer negócios com o petróleo em nome da estatal petroleira PDVSA sem aprovação congressional.

Carente de fundos, o governo agora tem autonomia para vender ações dos campos petrolíferos da Venezuela, que possui as maiores reservas do mundo, ou lançar novas joint ventures com empresas estrangeiras.

A ação da corte preparou o terreno para uma disputa legal e política demorada que pode afastar investidores estrangeiros e minar ainda mais os esforços da nação para estabilizar a PDVSA, disseram parlamentares da oposição e especialistas da indústria. A estatal já está sofrendo com os preços baixos do petróleo, uma crise de falta de verbas e problemas operacionais crônicos que vêm prejudicando sua capacidade de atender clientes em todo o mundo.

O desentendimento gira em torno de uma exigência constitucional de que a Assembleia Nacional aprove contratos da PDVSA de "interesse público nacional" com empresas do exterior.

Além dos adversários legislativos de Maduro, a procuradora-geral da Venezuela – uma aliada de longa data de Caracas – classificou como inconstitucional a decisão do TSJ de ignorar a Assembleia.

A legislatura, controlada desde o final do ano passado pela oposição, alertou os investidores que os acordos com o petróleo serão inválidos sem o aval da Casa.   Continuação...

 
Maduro faz discurso em transmissão em Caracas
 2/4/2017   Reuters/Divulgação