Dólar sobe 1% e encosta em R$3,15 com temores sobre reforma da Previdência

quinta-feira, 6 de abril de 2017 17:04 BRT
 

Por Claudia Violante

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar subiu 1 por cento e se aproximou de 3,15 reais nesta quinta-feira, com os investidores nervosos com o andamento da reforma da Previdência no Congresso Nacional, tida como essencial para colocar as contas públicas em ordem.

O dólar avançou 0,99 por cento, a 3,1457 reais na venda, maior nível de fechamento desde 14 de março (3,1693 reais). Na máxima da sessão, a moeda norte-americana foi a 3,1489 reais.

O dólar futuro tinha alta de cerca de 0,8 por cento no final da tarde.

"Está caindo a ficha de que a reforma da Previdência pode ficar aquém do esperado e afugentar o investidor estrangeiro", comentou o chefe da mesa de operações de uma corretora nacional.

Na véspera, o mercado já havia estressado com a pesquisa feita pelo jornal O Estado de S. Paulo com deputados e que revelou que a proposta do governo sobre a reforma da Previdência seria rejeitada por 242 parlamentares. Para aprová-la, o governo do presidente Michel Temer precisa de 308 votos favoráveis, do total de 513 deputados.

Nesta manhã, o presidente Michel Temer declarou que havia autorizado mudanças na reforma, desde que não promovesse mudanças na idade mínima.

Em seguida, diante da constatação de que não teria condições de aprovar a reforma da Previdência como está, o governo admitiu alterar a proposta em pelo menos cinco pontos mais sensíveis: as regras de transição, as normas para aposentadoria rural, o acúmulo de pensões, aposentadorias especiais para professores e policiais e os Benefícios de Prestação Continuada.

O humor dos mercados piorou de vez após o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, declarar a alguns veículos de comunicação que a flexibilização da reforma vai reduzir em pelo menos 10 por cento a economia que o governo projetava nos próximos dez anos nos gastos com INSS, o correspondente a 67,8 bilhões de reais.   Continuação...