Dólar sobe pela terceira sessão seguida e volta a R$3,15 por meta fiscal

sexta-feira, 7 de abril de 2017 17:30 BRT
 

Por Claudia Violante

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar subiu ante o real pela terceira sessão consecutiva nesta sexta-feira e voltou ao patamar de 3,15 reais, após o governo anunciar uma meta de déficit primário para 2018 pior do que a esperada pelo mercado.

Até o anúncio da nova meta fiscal, a moeda norte-americana recuava ante o real, influenciada pelo relatório sobre o mercado de trabalho norte-americano, que esvaziou as apostas de mais altas de juros na maior economia do mundo neste ano, além das duas já precificadas pelo mercado.

O dólar avançou 0,14 por cento, a 3,1502 reais na venda, maior nível desde 14 de março, quando fechou a 3,1693 reais. Na máxima, a moeda marcou 3,1592 reais e, na mínima, 3,1153 reais. O dólar futuro tinha elevação de 0,09 por cento.

Nos três últimos pregões, o dólar avançou 1,69 por cento ante o real. E na semana, acumulou ganho de 0,61 por cento.

"A notícia é mais uma a mostrar a dificuldade do governo em avançar", resumiu um profissional de uma corretora local lembrando dos percalços com a reforma da Previdência e a fraqueza da economia.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, anunciou que a meta de déficit primário do ano que vem será de 129 bilhões de reais para o governo central (governo federal, Banco Central e Previdência), bem mais do que os 79 bilhões de reais estimados inicialmente para o ano que vem. Para 2019, a meta é negativa em 65 bilhões de reais.

"A revisão da meta era esperada, mas a diferença foi muito grande, o que eleva as incertezas dos investidores. Some a isso o final de semana à frente, o resultado foi dólar em alta", resumiu o operador da corretora Advanced, Alessandro Faganello.

A trajetória de baixa da moeda na maior parte do dia foi sustentada pelo relatório do mercado de trabalho norte-americano, que ficou aquém do esperado.   Continuação...