7 de Abril de 2017 / às 20:40 / em 6 meses

REPERCUSSÃO-Governo piora meta fiscal de 2018 para um rombo de R$129 bi

(Reuters) - O governo federal piorou a meta de déficit primário fiscal para o governo central (governo federal, Banco Central e Previdência) em 2018, a 129 bilhões de reais, marcando outro ano de forte rombo nas contas públicas sob o impacto da fraqueza econômica.

Antes, a expectativa indicada era de um saldo negativo de 79 bilhões de reais.

Veja abaixo comentários de especialistas:

ALESSANDRA RIBEIRO, ECONOMISTA, TENDÊNCIAS CONSULTORIA

”De fato esse meta é mais crível, porque os números estavam apontando que era muito difícil mesmo conseguirem entregar aquela meta anterior. Este ano a gente ainda está no risco de não cumprir a meta.

    “Isso tudo coloca mais pressão sobre a reforma da Previdência, que ela tem que sair e tem que sair razoável. Se no fim das contas sair algo bastante desfigurado, aí toda a tensão, percepção de risco sobre sustentabilidade das contas públicas vai voltar a ser debatido, vai voltar a ser colocado no preço, e isso pode ter efeitos ruins para o cenário econômico. Só aumenta a pressão pra sair uma reforma da Previdência razoável, bem razoável, eu diria.”

ZEINA LATIF, ECONOMISTA-CHEFE, XP INVESTIMENTOS

”Não vou dizer que era esperado. O mercado não vinha discutindo esse assunto. Mas não é à toa que estamos num país que se propõe a fazer reformas estruturais. Este ano o déficit só não vai ser maior porque há receitas temporárias.

”É claro que no ano que vem, diante da melhora esperada para o crescimento, pode ter alguma boa surpresa na arrecadação. Também acho que não vai ser enorme porque as empresas estão numa situação muito frágil e devem primeiro pagar os bancos para depois se acertarem com o Fisco.

“Mas esse é o momento de lembrar as razões que chegamos nesse rombo. E é aquilo: é pior uma meta um ruim, mas crível.”

ALBERTO RAMOS, DIRETOR DE PESQUISA ECONÔMICA, BANCO GOLDMAN SACHS

“Os déficits maiores de 2018 e 2019 refletem o fraco desempenho da receita projetada devido ao declínio acentuado na atividade e à expectativa de uma recuperação pouco inspiradora, mas também ao fato de que os gastos públicos já altos continuam a aumentar em termos reais. Na nossa avaliação, um esforço maior e mais eficaz para reduzir os gastos a curto prazo seria bem-vindo.”

Reportagem de Silvio Cascione e Marcela Ayres, em Brasília; Luiz Guilherme Gerbelli, São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below