Hidrelétrica de Jirau manobra para ter preço maior e proteção contra déficit de chuvas

segunda-feira, 10 de abril de 2017 16:19 BRT
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A hidrelétrica de Jirau, em Rondônia, prepara uma manobra para revender a preços maiores parte de sua energia antes negociada junto a distribuidoras e para assegurar uma proteção contra riscos de perdas financeiras com a hidrologia desfavorável em 2017, disse à Reuters nesta segunda-feira o presidente da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), Victor Paranhos.

O executivo da companhia responsável por Jirau disse que a ESBR vai reduzir contratos com as distribuidoras de eletricidade para o segundo semestre de 2017, aproveitando que essas empresas hoje sofrem com excesso de energia devido à redução da demanda nos últimos dois anos, em meio à recessão.

As reduções contratuais devem ser efetivadas ainda nesta segunda-feira pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), e a ESBR agendou para quinta-feira um leilão no qual tentará revender essa energia.

"Já tem um bocado de interessados... estamos descontratando um pedaço da energia, e uma parcela dessa energia vai ser recontratada a um preço mais alto", disse Paranhos.

O leilão da ESBR vai oferecer energia em contratos para entre abril e dezembro de 2017.

A energia vendida por Jirau às distribuidoras está hoje a um preço atualizado de cerca de 147 reais por megawatt-hora, enquanto o preço spot da eletricidade, ou Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), está em 362 reais por megawatt-hora.

Paranhos ainda disse estimar que o PLD seguirá em alta e poderá atingir em junho o valor máximo permitido pela regulação, de 533 reais por megawatt-hora.

A ESBR tem como sócios a francesa Engie, a estatal federal Eletrobras e a japonesa Mitsui.   Continuação...