Governo reduz preços mínimos do trigo e desestimula plantio da nova safra

quarta-feira, 19 de abril de 2017 19:03 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O Ministério da Agricultura reduziu em 3,6 por cento os preços mínimos do trigo para a temporada 2017/18, em uma medida que deverá acentuar o desestímulo ao plantio da nova safra, segundo um representante dos produtores.

No caso do trigo "pão" tipo 1 no Sul do país, por exemplo, o preço mínimo foi reduzido para 37,26 reais por saca de 60 quilos, ante 38,65 reais na temporada 2016/17, segundo portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU) nesta quarta-feira.

Os preços mínimos servem como referência para o governo aplicar políticas de subvenção aos produtores rurais no caso de forte recuo das cotações de mercado.

Na avaliação da Ocepar, entidade que reúne cooperativas do Paraná, principal Estado produtor, a decisão do governo deverá reduzir ainda mais a área plantada em 2017.

Atualmente, o Departamento de Economia Rural (Deral), ligado ao governo do Estado, projeta uma queda de área de cerca de 4 por cento em 2017, para 1,05 milhão de toneladas.

"A gente imagina que a estimativa pode ser revisada para baixo, de uma queda de 4 por cento para um recuo de 10 por cento", disse à Reuters o gerente-técnico da Ocepar, Flávio Turra.

Segundo ele, a semeadura do trigo do Paraná alcança apenas 5 por cento da área total para este ano e ainda há tempo para que muitos produtores mudem suas intenções de plantio.

"Já temos muito desestímulo este ano após a baixa remuneração da safra 2016, quando colhemos bem, mas houve dificuldade de liquidez... Com esse preço mínimo o produtor vai acabar procurando alternativas", completou Turra.

No ano passado, o Paraná colheu cerca de metade safra do Brasil, um país que importa boa parte de seu consumo.

(Por Gustavo Bonato)

 
Trator em plantação de trigo na cidade de Santarém, no Pará
20/04/2013
REUTERS/Nacho Doce/File Photo