Lojas Renner vê ambiente do varejo menos promocional, não espera novos cortes de preços

quarta-feira, 26 de abril de 2017 15:30 BRT
 

Por Paula Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A varejista de vestuário Lojas Renner está vendo alguma normalização no ambiente promocional no setor e não espera remarcações adicionais nos preços de seus produtos neste segundo trimestre, afirmaram executivos da empresa em teleconferência sobre o resultado do primeiro trimestre.

"Não vemos, para a frente, uma necessidade de remarcação adicional. Os sinais que temos são positivos, mas isso vai depender do ambiente de mercado que ainda tem incertezas pela frente", disse o diretor financeiro e de relações com investidores da Lojas Renner, Laurence Gomes.

No primeiro trimestre, remarcações de preços estiveram entre os fatores que pressionaram as margens da companhia, com a margem bruta da operação de varejo recuando a 54,4 por cento ante 55,6 por cento um ano antes.

"Fizemos remarcações que eram necessárias...a modo de garantir nossa competitividade", destacou o executivo.

De acordo com Gomes, a pressão nas margens era esperada dado o cenário ainda bastante incerto de vendas e os desafios da economia brasileira. "A gente já previa um ambiente mais competitivo, com dificuldade maior de expandir margem esse ano."

O diretor presidente da Lojas Renner, José Galló, também disse ter notado, embora com algumas exceções, um processo de normalização no ambiente promocional. "Não vemos o ambiente fortemente promocional que vimos em janeiro e fevereiro."

Além do impacto de ajustes para baixo em preços, o diretor financeiro da varejista destacou o efeito do câmbio, que respondeu por 50 por cento da queda na margem bruta. Para o segundo trimestre, contudo, a previsão é de que esse impacto deve ser menor do que foi no primeiro trimestre.

A Lojas Renner também prevê normalização no crescimento dos estoques durante 2017, após alta no primeiro trimestre decorrente de decisão da companhia de começar o período com abastecimento maior, o que afetou a geração de fluxo de caixa livre da companhia (negativa em 143,3 milhões de reais).   Continuação...