Vale prevê dobrar "blendagem" na Ásia em 2017; projeta alta no preço do minério

quinta-feira, 27 de abril de 2017 18:06 BRT
 

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A brasileira Vale prevê dobrar o volume de minério de ferro "blendado" (misturado) na Ásia neste ano, estimando ainda uma melhora significativa dos preços da commodity em 2017, o que poderá amenizar uma esperada redução temporária de vendas decorrente dessa estratégia para melhor atender o cliente asiático.

A expectativa é atingir uma "blendagem" de cerca de 80 milhões de toneladas em 2017 na Ásia, afirmou nesta quinta-feira o diretor-executivo de Ferrosos da Vale, Peter Poppinga, durante teleconferência com analistas e investidores para comentar os resultados do primeiro trimestre.

Com essa estratégia que ganha mais intensidade neste ano, a empresa pode dar respostas mais rápidas a mudanças nas condições de mercados onde estão os principais clientes, com maior flexibilidade para moldar o produto conforme a demanda.

O objetivo da maior produtora global da commodity é otimizar aumento da produção de um minério com maior teor de ferro no Norte do Brasil, com o início da operação comercial do projeto gigante S11D, em Canaã dos Carajás (PA), a partir da mistura com um produto menos valioso, extraído de operações em Minas Gerais.

O executivo observou que os volumes "blendados" na Ásia ainda deverão crescer em 2018, mas não no mesmo ritmo verificado desde 2015, quando somaram 20 milhões de toneladas. Em 2016, foram 40 milhões de toneladas.

"Provavelmente (2017) não será o pico, em 2018 ainda vai ter um aumento... mas não será provavelmente nessa progressão aritmética que a gente acabou de ver aqui, será um pouco maior que esses 80 milhões", disse Poppinga.

No curto prazo, o efeito da estratégia da Vale de maiores volumes de "blend" é um aumento temporário dos estoques, que no primeiro trimestre causou um impacto negativo nas vendas do produto.

O tema gerou forte interesse dos analistas na teleconferência, que buscavam precificar a questão.   Continuação...

 
Logo da Vale na sede da empresa no centro do Rio de Janeiro, no Brasil
20/08/2014
REUTERS/Pilar Olivares/File Photo