Usina Cevasa suspende pagamentos de empréstimos, dizem fontes

quarta-feira, 3 de maio de 2017 12:21 BRT
 

Por Guillermo Parra-Bernal e Tatiana Bautzer

SÃO PAULO (Reuters) - A usina de cana Central Energética Vale do Sapucaí (Cevasa), no interior de São Paulo, na qual a Cargill tem uma fatia majoritária, suspendeu pagamentos de juros e do principal de um empréstimo de 700 milhões de reais, em meio a um racha entre acionistas sobre uma injeção de capital, disseram cinco pessoas com conhecimento do assunto.

A Cevasa enfrenta problemas de liquidez devido à alta nos custos e margens ruins no setor de etanol, disseram as fontes.

Com uma fatia de 63 por cento na usina, a Cargill pediu que os sócios minoritários se unissem a ela para injetar recursos na Cevasa, ou que aceitassem diluição de suas participações, disseram três das fontes.

A gestão da Cevasa é dividida de maneira igual entre a Cargill e um grupo de produtores de cana reunidos sob uma companhia chamada Canagril.

O impasse entre Cargill e Canagril levou a Cevasa a interromper pagamentos de empréstimos a algumas das maiores instituições de crédito do país, até que um plano de reestruturação seja formulado, disseram duas fontes.

Três das fontes disseram que os credores da Cevasa incluem Bradesco, Santander Brasil e Itaú Unibanco. Outra fonte disse que o Banco do Brasil está no grupo de credores.

A Cargill disse em comunicado que não iria comentar "sobre assuntos relacionados a companhias individuais que não são controladas pela Cargill". Cevasa, Canagril e os bancos não estavam disponíveis para comentar.

As fontes pediram anonimato devido à sensibilidade do tema.   Continuação...