Aneel pode suspender empréstimo especial a distribuidora da Eletrobras no Amazonas

quinta-feira, 4 de maio de 2017 17:41 BRT
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A distribuidora de energia da Eletrobras responsável pelo fornecimento no Amazonas pode ter suspensos empréstimos emergenciais que vêm sendo concedidos à empresa por um fundo do setor elétrico, devido ao atraso na entrega à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) de um plano de resultados e prestações de contas.

As informações estão em um documento da Aneel ao qual a Reuters teve acesso e foram confirmadas pela agência em uma nota.

Após a Eletrobras anunciar que pretende vender todas suas seis distribuidoras de energia até o final do ano, a Aneel autorizou que essas empresas, que atuam no Norte e Nordeste e são fortemente deficitárias, obtenham empréstimos para bancar custos até que a privatização seja viabilizada.

Os recursos direcionados para as distribuidoras saem da Reserva Global de Reversão (RGR), abastecida por meio de um encargo embutido nos custos da energia elétrica.

"Há uma recomendação de suspensão do empréstimo da RGR até que a empresa (Amazonas Energia) tenha o Plano de Prestação Temporária do Serviço aprovado pela Aneel. Atualmente a empresa não apresentou o referido plano", disse a agência reguladora em nota, após questionamentos da Reuters.

O processo referente aos empréstimos para a companhia terá um relator sorteado na segunda-feira e deverá em breve ser encaminhado para análise pela diretoria da Aneel em reunião pública.

Em conversa com jornalistas após participar de evento em São Paulo nesta quinta-feira, o diretor-geral da agência, Romeu Rufino, disse que os empréstimos emergenciais têm como objetivo permitir que a situação dessas distribuidoras não se degrade ainda mais, tanto tecnicamente quanto financeiramente.

"Para isso, elas têm direito a receber um recurso da RGR, para fechar as contas, o fluxo de caixa. Mas ela só faz jus a esse recurso se ela prestar contas. Ela tem obrigações a entregar, se ela não entregar, não faz jus ao recurso", explicou.   Continuação...