Polícia prende 2 suspeitos de ligação com refino de petróleo furtado da Petrobras

sexta-feira, 5 de maio de 2017 18:32 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Duas pessoas ligadas à refinaria Superoilbras, em Cosmópolis (SP), foram presas nesta sexta-feira por suspeita de envolvimento com uma quadrilha de furto de combustíveis da Petrobras, informaram polícia e o Ministério Público.

As prisões preventivas dos irmãos Anderson Daniel Espego e Adelcio Rogério Espego, supostos sócios da refinaria, ocorreram no âmbito da segunda etapa da operação Ouro Negro, iniciada em março deste ano.

Segundo a polícia, eles sabiam que refinavam óleo com origem ilegal. Os dois suspeitos foram denunciados à Justiça pelos crimes de organização criminosa para prática de furto qualificado de combustível e de petróleo cru.

A Reuters não conseguiu contato com a empresa Superoilbras ou com os acusados, mas em seu website na Internet a companhia afirma ser especializada na venda de óleos combustíveis para caldeiras, fornos e usinas de asfalto e que atua há dez anos nesse segmento.

Também são cumpridos mandados de busca e apreensão nas casas dos acusados em Paulínia (SP) e em locais apontados como sede de uma outra refinaria e de uma transportadora, ambas supostamente utilizadas pela quadrilha em São Paulo.

Atualmente, qualquer empresa pode montar uma refinaria no Brasil para a produção de derivados de petróleo, com as devidas licenças. No entanto, 13 das 17 refinarias em operação no país são da Petrobras, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Os altos custos para manter uma unidade de processamento de petróleo e o forte controle estatal histórico do Brasil nos preços dos combustíveis desencoraja outros investidores a montar um negócio como esse, apesar de previsões de órgãos estatais verem uma forte necessidade de novos investimentos no setor.

Na primeira etapa da operação Ouro Negro, em março, foram presas no Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais 13 pessoas acusadas de envolvimento em furtos de petróleo e combustíveis de dutos da Petrobras.   Continuação...