Bovespa fecha em baixa de 0,28% com pressão Banco do Brasil e cautela por Previdência

segunda-feira, 8 de maio de 2017 18:02 BRT
 

Por Flavia Bohone

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da Bovespa fechou a sessão volátil e de liquidez reduzida desta segunda-feira em baixa, tendo as ações do Banco do Brasil e as preferenciais da Vale entre as maiores pressões negativas, e com investidores ainda cautelosos com o andamento da reforma da Previdência no Congresso.

O Ibovespa recuou 0,28 por cento, a 65.526 pontos, após trocar de sinal algumas vezes ao longo do dia, perdendo 0,63 por cento na mínima da sessão e subindo 0,46 por cento no melhor momento do pregão, no patamar dos 66 mil pontos.

A agenda fraca de indicadores e o noticiário político mais tranquilo nesta sessão favoreceram a falta de viés e o baixo volume de negócios, que fechou o dia em 6 bilhões de reais. A média diária para o giro financeiro no mês passado foi de 8,11 bilhões de reais e na primeira semana de maio o volume médio diário foi de 8,43 bilhões de reais.

Localmente, os investidores seguem cautelosos e evitando grandes movimentos à espera de novidades sobre o avanço das reformas no Congresso Nacional, principalmente a da Previdência.

"O mercado está totalmente de olho na Previdência", resumiu o gestor da mesa de operações de Bovespa da corretora Coinvalores, Marco Tulli Siqueira, acrescentando que até que se tenha mais clareza sobre o rumo da reforma o mercado vai seguir em compasso de espera.

No exterior, a vitória de Emmanuel Macron na eleição para a presidência da França reduziu as incertezas políticas na Europa, ajudando a diminuir a pressão sobre os mercados. No entanto, seu impacto foi limitado uma vez que as pesquisas recentes já apontavam sua vitória.

DESTAQUES   Continuação...