BR Malls tem lucro líquido de R$71,6 mi no 1º tri; conselho aprova oferta de ações

terça-feira, 9 de maio de 2017 11:21 BRT
 

Por Gabriela Mello

SÃO PAULO (Reuters) - A administradora de shopping centers BR Malls teve lucro líquido de 71,567 milhões de reais no primeiro trimestre, 45,2 menor ante igual período de 2016, conforme as despesas aumentaram e as vendas ficaram praticamente estáveis.

Segundo material de divulgação do balanço, a receita líquida trimestral recuou 0,3 por cento, para 330,5 milhões de reais. Os lojistas venderam um total de 5,019 bilhões de reais entre janeiro e março, acréscimo de 0,1 por cento ante o mesmo intervalo um ano atrás.

As vendas mesmas lojas cresceram 0,4 por cento na comparação anual, e as vendas por metro quadrado subiram 1,6 por cento. Já as despesas com vendas, gerais e administrativas tiveram alta de 46,2 por cento frente ao primeiro trimestre do ano passado, para 69,823 milhões de reais.

A ocupação dos shoppings caiu para 96,1 por cento ao fim de março deste ano, de 96,8 por cento um ano atrás, muito embora o custo de ocupação tenha recuado 0,3 ponto percentual, para 11,8 por cento das vendas.

A empresa ainda apurou geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de 221,127 milhões de reais entre janeiro e março, queda de 9,4 por cento ante um ano atrás devido ao maior nível de provisão para devedores duvidosos.

O Ebitda ajustado somou 222,8 milhões de reais, enquanto o lucro ajustado por variação cambial em bônus perpétuos, swap a mercado e imposto não caixa foi de 76,349 milhões de reais, 174,1 por cento maior que o de janeiro a março de 2016.

A BR Malls investiu 50,7 milhões de reais nos três primeiros meses do ano, sendo 29,2 milhões em projetos greenfield (novos empreendimentos), 17,7 milhões de reais em expansões e revitalizações e 3,8 milhões de reais em licenças de softwares e desenvolvimento de sistemas para melhorar eficiência.

Ao fim de março, a empresa apresentava dívida líquida de 4,196 bilhões de reais, 11,2 por cento inferior ante o mesmo período de 2016, após amortizar integralmente em fevereiro a 1ª série da 2ª emissão de debêntures no valor de 88,9 milhões de reais.   Continuação...