Kroton está confiante de que entregará metas para 2017 e diz ter remédios para fusão

sexta-feira, 12 de maio de 2017 15:12 BRT
 

Por Gabriela Mello

SÃO PAULO (Reuters) - A Kroton Educacional (KROT3.SA: Cotações) está confiante de que conseguirá alcançar as metas traçadas para o ano de 2017 e terá os remédios necessários para aplacar as preocupações concorrenciais sobre a fusão com a Estácio Participações (ESTC3.SA: Cotações), disseram nesta sexta-feira executivos do grupo em teleconferência com analistas sobre os resultados do primeiro trimestre.

"Temos bastante conforto de que o 'guidance' traçado para 2017 será entregue", afirmou o presidente da Kroton, Rodrigo Galindo. Segundo ele, a empresa espera uma geração de caixa operacional robusta neste ano, muito embora não tenha divulgado projeção específica para esse indicador.

Mais cedo, a companhia divulgou estimativas para 2017, incluindo lucro líquido ajustado de 2,1 bilhões de reais, elevação de 5,6 por cento ante 2016. Entre outros números, a Kroton citou expectativa de alta de 5,4 por cento na receita líquida deste ano, para 5,485 bilhões de reais.

Galindo afirmou que a companhia vem tendo reuniões frequentes no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) acerca da fusão com a Estácio. "Estamos confiantes e acreditamos ter os remédios para aplacar as preocupações concorrenciais levantadas pelo Cade", comentou.

Questionado sobre a política de dividendos, ele afirmou que, permanecendo as condições de mercado, a Kroton pode manter o patamar de 40 por cento para distribuição de lucros ao longo do ano.

Paralelamente ao balanço, a empresa anunciou que o conselho de administração autorizou elevar o percentual do lucro trimestral devolvido aos acionistas de 35 para 40 por cento.

"Essa decisão altera a relação de troca prevista na fusão", ressaltou o diretor financeiro da empresa, Frederico Brito e Abreu, lembrando que a Estácio teria consentido com a mudança.

Abreu disse, ainda, que a Kroton vê aceleração do percentual de investimento sobre receita líquida nos próximos trimestres. De janeiro a março, a empresa investiu o equivalente a 5,9 por cento, ante 3,2 por cento em igual período de 2016, de acordo com material de divulgação do resultado.   Continuação...