Norueguesa Statoil planeja ser operadora única da área de Carcará

segunda-feira, 12 de junho de 2017 17:54 BRT
 

Por Nerijus Adomaitis

OSLO (Reuters) - A petroleira norueguesa Statoil planeja mais do que triplicar sua produção no Brasil e buscará se tornar operadora de toda a descoberta de Carcará, na Bacia de Santos, que está entre as maiores do mundo nos últimos anos, afirmou à Reuters o chefe das operações brasileiras da companhia.

A Statoil investiu mais de 10 bilhões de dólares no Brasil, tornando-se uma das maiores operadoras estrangeiras em mar no país, com a ajuda do campo de petróleo pesado Peregrino, a 85 quilômetros da costa do Rio de Janeiro, que é o maior que a empresa opera fora da Noruega.

Com Peregrino produzindo de 80 mil a 90 mil barris de óleo equivalentes de petróleo por dia, a participação da Statoil de 60 por cento no campo permite que a empresa produza entre 48 mil e 54 mil barris diários no país.

"Esperamos que a produção (da Statoil) seja mais do que triplicada no Brasil até 2030", disse Anders Opedal, em uma entrevista.

No ano passado, a Statoil comprou uma participação de 66 por cento da Petrobras e tornou-se a operadora do bloco BM-S-8, na Bacia de Santos, onde está a descoberta de Carcará, por 2,5 bilhões de dólares.

A empresa norueguesa também tomou o controle operacional da licença BM-C-33, na Bacia de Campos, da Repsol Sinopec, detendo uma participação de 35 por cento. (História completa)

Além disso, a companhia aprovou o desenvolvimento da fase 2 de Peregrino, que deverá adicionar 250 milhões de barris de reservas com "break-even" abaixo de 45 dólares por barril, menor que uma estimativa original de 70 dólares por barril.

"Estamos no caminho certo para começar a terceira plataforma em Peregrino, no fim de 2020", disse Opedal.   Continuação...

 
Logo da Statoil durante apresentação de resultados da companhia, em Londres
6/02/2015 REUTERS/Toby Melville