Pesquisa reforça acirramento da disputa eleitoral e Bovespa tem 5ª queda

terça-feira, 23 de setembro de 2014 17:46 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa teve outra sessão volátil nesta terça-feira antes de fechar com a quinta queda seguida, com o Ibovespa renovando a mínima em mais de cinco semanas, após pesquisa CNT/MDA respaldar o acirramento em provável segundo turno da eleição presidencial.

A cautela com a divulgação de outros dois levantamentos ainda nesta noite - Ibope e Vox Populi - corroborou o viés de baixa final, embora longe da mínima, com alguns agentes preferindo zerar suas posições vendidas antes dos números.

Em sessão também marcada por baixas em bolsas no exterior, dados da China e notícias do setor de telecomunicações no Brasil, o Ibovespa encerrou em baixa de 0,49 por cento, a 56.540 pontos, nova mínima desde 14 de agosto.

Durante o dia, o índice chegou a recuar 1,3 por cento na mínima e avançar 0,9 por cento na máxima. O volume financeiro do pregão alcançou 6,95 bilhões de reais.

Pesquisa CNT/MDA divulgada nesta terça-feira mostrou a presidente Dilma Rousseff (PT) com 42 por cento na simulação de segundo turno contra 41 por cento de Marina Silva (PSB). Antes, Dilma tinha 42,7 e Marina, 45,5 por cento.

De acordo com profissionais do mercado, a perda do fôlego de Marina em pesquisas mais recentes abriu espaço para especulações sobre a capacidade de recuperação da candidata a menos de duas semanas do primeiro turno da eleição.

O Ibovespa chegou a sustentar ganhos pela manhã, com a zeragem de posições vendidas da véspera, quando parte do mercado. Mas antes do almoço o índice já estava novamente no vermelho.

"Os movimentos têm sido extremos no que diz respeito à repercussão do cenário eleitoral, com o mercado encarando sinais da oposição vencer como o céu, enquanto veem o inferno no caso de vitória do governo. E não é nem um nem outro", disse o gestor e sócio na Principia Capital Management, Marcello Paixão.   Continuação...