Chuvas para hidrelétricas em outubro ficarão acima da média apenas no Sul, diz ONS

sexta-feira, 26 de setembro de 2014 17:25 BRT
 

Por Anna Flávia Rochas

SÃO PAULO (Reuters) - As chuvas que deverão chegar aos reservatórios das hidrelétricas do país em outubro ficarão abaixo da média para o período, com exceção da região Sul, onde espera-se chuvas acima da média histórica, segundo estimativas do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) divulgadas nesta sexta-feira.

No Sudeste/Centro-Oeste, que concentra algumas das principais hidrelétricas do país, a expectativa é de que as chuvas sejam equivalentes a 89 por cento da média histórica em outubro. Diante disso, o nível dos reservatórios das usinas dessa região deverá chegar ao fim de outubro em cerca de 21,8 por cento de armazenamento de água, ante 25,81 por cento atualmente.

O mês de outubro é o primeiro mês em que as chuvas costumam começar a aumentar após a estação seca. Depois de um período chuvoso atipicamente seco de 2013 para 2014, as atenções do setor elétrico estão voltadas para o comportamento das chuvas a partir do mês que vem, que serão determinantes para definir como será o abastecimento de eletricidade do país em 2015 e como se comportará o preço de energia.

O atual nível dos reservatórios do Sudeste/Centro-Oeste é o menor para o período desde 2001, ano do racionamento de energia, quando o patamar registrado foi de 20,61 por cento.

O Norte, deverá ver uma queda no nível de suas represas de 45,54 para 34,7 por cento ao fim de outubro. As represas do Nordeste devem chegar a 16,1 por cento, ante 22,88 por cento atualmente.

Apenas as hidrelétricas do Sul verão aumento no nível das suas represas, de atuais 65,86 por cento para 89,9 por cento.

Segundo o ONS, previsões de institutos de meteorologia mostram "totais de chuva entre normais a acima da média na região Sul do Brasil, considerando o trimestre outubro-novembro-dezembro de 2014".

O presidente da Bolt Comercializadora, Erico Evaristo, acredita que a queda nos reservatórios de hidrelétricas no Sudeste continue até o final de novembro, com início da recuperação em dezembro. Ele também não vê um aumento do nível das represas a ponto de serem recuperadas e chegarem em cerca de 60 por cento até o fim do período chuvoso, em março do ano que vem.   Continuação...