China lança campanha tendo fugitivos econômicos como alvo

sábado, 27 de setembro de 2014 13:15 BRT
 

XANGAI (Reuters) - O principal órgão de acusação da China lançou uma campanha de seis meses tendo suspeitos de corrupção como alvo, especialmente aqueles que fugiram para o exterior, à medida que o governo de Xi Jinping reprime a corrupção, segundo reportagem da agência de notícias oficial Xinhua deste sábado.

O Protetorado Popular Supremo disse que usaria as regras de confisco da China de maneira mais vigorosa para evitar que autoridades corruptas se beneficiem de seus ganhos.

O órgão pediu que promotores colaborem com outros departamentos, como a polícia e tribunais, para melhorar a eficiência do sistema.

"A China nunca vai deixar autoridades corruptas escaparem da punição da lei", disse Qiu Xueqiang, vice procurador-geral do Protetorado, citado pela agência Xinhua.

Qiu disse que os promotores devem aumentar os esforços para prevenir que tais autoridades deixem o país.

O Ministério de Segurança Pública lançou em julho uma "caça à raposa" para perseguir fugitivos econômicos.

O Ministério anunciou neste sábado em seu site ter localizado 102 suspeitos de crimes econômicos que fugiram para o exterior, além de ter prendido 61, quatro dos quais escoltou da Tailândia para Pequim no mesmo dia.

Trazer fugitivos econômicos de volta à China é visto como tarefa complicada, uma vez que não há tratado de extradição entre a China e os Estados Unidos e governos estrangeiros têm expressado relutância em entregar esses suspeitos, por medo de que eles enfrentem pena de morte na China.

Em agosto, uma autoridade sênior do Ministério de Segurança Pública foi citado pela mídia estatal dizendo que 150 fugitivos econômicos chineses estavam nos Estados Unidos.     Continuação...