29 de Setembro de 2014 / às 11:54 / 3 anos atrás

BC vê PIB crescendo menos neste ano, com inflação elevada

Fachada da sede do Banco Central, em Brasília. 15/01/2014. REUTERS/Ueslei Marcelino

SÃO PAULO/BRASÍLIA (Reuters) - Ao mesmo tempo em que vê a economia crescendo menos neste ano, o Banco Central manteve seu cenário de inflação pressionada e próxima do teto da meta oficial, indicando que não deve mudar a Selic tão cedo, mas acabou abrindo uma pequena fresta para nova alta dos juros básicos no futuro caso seja necessário.

Ao apresentar o Relatório Trimestral de Inflação nesta segunda-feira, o diretor de Política Econômica do BC, Carlos Hamilton de Araújo, disse que, se o cenário de preços exigir, o BC voltará a subir a Selic, atualmente em 11 por cento ao ano.

“O Banco Central disse implicitamente e eu repeti explicitamente que isso (alta dos juros) não está descartado”, disse o diretor a jornalistas. “Se o cenário para a inflação exigir, a política monetária deve ser e será acionada tempestivamente”.

Para este ano, a autoridade monetária calcula que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro será de 0,7 por cento, ante 1,6 por cento calculado até então.

Uma das principais variáveis para essa piora foi a conta de investimento. Agora, o BC vê que a Formação Bruta de Capital Fixo vai recuar 6,5 por cento neste ano, sobre a queda de 2,4 por cento calculada antes, “consistente com os resultados do segundo trimestre e com o recuo dos índices de confiança nas sondagens do consumidor e da indústria”, explicou o BC.

Para a indústria, o BC vê agora retração de 1,6 por cento, ante 0,4 por cento.

Pelo Focus, os economistas consultados pelo BC veem que a economia brasileira como um todo avançará 0,29 por cento neste ano, acelerando a 1,01 por cento em 2015.

INFLAÇÃO

Para o IPCA, o BC reduziu ligeiramente sua projeção para este ano, com alta de 6,3 por cento pelo cenário de referência (Selic constante a 11 por cento e dólar a 2,25 reais), ante 6,4 por cento. A meta oficial é de 4,5 por cento, com margem de dois pontos percentuais para mais ou menos.

O BC vê ainda alta de 5,8 por cento do índice em 2015, um pouco acima da projeção anterior (5,7 por cento), recuando para 5 por cento no terceiro trimestre de 2016.

“O Comitê reafirma sua visão de que, mantidas as condições monetárias --isto é, levando em conta estratégia que não contempla redução do instrumento de política monetária--, a inflação tende a entrar em trajetória de convergência para a meta nos trimestres finais do horizonte de projeção”, escreveu o BC no relatório, repetindo a visão que já havia sido colocada em ata do Comitê de Política Monetária (Copom) e que levou boa parte dos especialistas a entender que a autoridade monetária não quer elevar a Selic para não prejudicar a economia.

Na última ata do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada no dia 11 passado, o BC passou a ver que a inflação não é mais “resistente”, mantendo a visão no relatório divulgado agora. No Focus, a projeção dos agentes é de que o IPCA encerrará este ano a 6,31 por cento e 2015 a 6,30 por cento.

A aposta generalizada dos agentes econômicos é de que o BC não muda a taxa de juros pelo menos até o fim de 2014, como era precificado na curva de juros futuros neste pregão. Em 12 meses até agosto, último dado disponível, o IPCA havia estourado o teto do objetivo, com alta acumulada de 6,51 por cento.

“Apesar de a inflação ainda se encontrar elevada, pressões inflacionárias ora presentes na economia... tendem a arrefecer ou, até mesmo, a se esgotar ao longo do horizonte relevante para a política monetária. Em prazos mais curtos, some-se a isso o deslocamento do hiato do produto para o campo desinflacionário”, afirmou o BC pelo relatório.

As estimativas para a inflação da autoridade monetária levam em conta alta de 5 por cento dos preços administrados em 2014 (mesma previsão do relatório anterior) e de 6 por cento para

2015.

Diante da recente valorização do dólar --que até a sexta-feira passada chegou a 8 por cento neste mês--, o diretor do BC indicou que a política monetária será acionada caso haja reflexos na inflação. Ao ser questionado sobre o impacto do câmbio, o diretor afirmou:

“Estamos atentos, está explícito na nossa comunicação o que não consideramos e o que pode ser contemplado pelo Copom. Se o cenário da inflação exigir, a política monetária será acionada tempestivamente”.

O diretor disse que a projeção para a inflação de 2014 considera que a política fiscal será neutra. Ele, no entanto, adiantou que essa hipótese não deverá se confirmar.

“Nossa hipótese é de neutralidade da política fiscal para 2014. E as evidências apontam que essa hipótese não se confirmará”, afirmou.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below