PMI do HSBC mostra estabilidade da indústria na China, mas riscos continuam

terça-feira, 30 de setembro de 2014 08:34 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - O vasto setor industrial da China mostrou sinais de estabilidade em setembro com aumento das encomendas de exportação, mostrou nesta terça-feira a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês), aliviando temores de um pouso forçado, mas indicando uma economia ainda lenta que enfrenta riscos consideráveis.

O PMI final de indústria do HSBC/Markit ficou em 50,2 em setembro, inalterado ante agosto, quando foi a mínima de três meses, mas abaixo da preliminar de 50,5.

O subíndice que mede as novas encomendas de exportação, medida de demanda externa, chegou à máxima de quatro anos e meio de 54,5, embora a demanda doméstica pareça fraca. A marca de 50 separa expansão de contração na atividade.

De forma mais preocupante, a pesquisa mostrou mais fraqueza no mercado de trabalho, com o subíndice de emprego encolhendo pelo 11º mês seguido, o que deve preocupar os líderes da China.

A segunda maior economia do mundo tem vacilado neste ano com a desaceleração no mercado imobiliário pesando sobre a demanda doméstica.

Com a expectativa de que o setor esfrie mais, economistas acreditam que as autoridades terão que adotar mais medidas de estímulo nos próximos meses para que o país atinja a meta de crescimento em 2014 de 7,5 por cento.

"No geral, os dados de setembro sugerem que a atividade industrial continua expandindo em ritmo lento", disse o economista-chefe do HSBC para a China, Qu Hongbin.

"Achamos que ainda existem riscos ao crescimento e justificam mais política monetária expansionista, assim como políticas fiscais", acrescentou

Para mais informações, veja a matéria em inglês:

(Reportagem de Xiaoyi Shao e Koh Gui Qing)

 
Carro elétrico E150 EV na linha de produção de fábrica da Beijing Automotive Industry Holding Co (BAIC), nos arredores de Pequim. 23/07/2014 REUTERS/China Daily