Cuba anuncia maior emissão de dinheiro como parte de plano para unificar moedas

quarta-feira, 1 de outubro de 2014 10:33 BRT
 

HAVANA (Reuters) - Cuba anunciou que aumentará a quantidade de pesos cubanos em circulação e que estuda a emissão de cédulas de maior valor como parte de um plano para unificar as duas moedas que utiliza há décadas, uma reforma fundamental para modernizar sua economia socialista, disse nesta quarta-feira a imprensa oficial.

Os cubanos costumam levar duas moedas nos bolsos: o peso cubano (CUP), com o qual os funcionários públicos recebem seus salários e pagam alguns produtos subsidiados, cotado a 25 pesos por dólar, e o “peso conversível” (CUC), equivalente a um dólar, com o qual o Estado vende produtos importados e cobra serviços como o turismo.

“É lógico que, ao estabelecer o peso cubano como uma única moeda, e considerando que os preços dos varejistas manterão o atual nível, é necessário maior quantidade de cédulas em circulação, incluindo a possibilidade de emitir cédulas de maior denominação”, disse o presidente do Banco Central de Cuba, Ernesto Medina, em um artigo publicado no Granma, diário do Partido Comunista.

Atualmente, em Cuba, circulam notas de 1, 3, 5, 10, 20, 50 e 100 pesos em moeda nacional.

O processo de unificação monetária é uma das mais importantes reformas empreendidas em Cuba pelo presidente Raúl Castro desde que chegou ao cargo após a saúda de seu irmão Fidel, em fevereiro de 2008, motivada por doença.

O governo comunista sustenta que a dupla moeda é um dos “obstáculos mais importantes para o progresso” do país, além de complicar a contabilidade e o comércio entre as empresas estatais.

O plano para a unificação monetária foi iniciado em outubro de 2013 com o objetivo de restabelecer o “valor do peso cubano e suas funções como dinheiro”, disseram as autoridades, que anunciaram que o processo começou no nível corporativo e em entidades do Estado.

Ainda não se sabe quando a medida seria aplicada para o restante dos cubanos. O salário médio dos cubanos em CUP é de 466 pesos, equivalente a cerca de 20 dólares, embora eles se beneficiem da saúde e da educação gratuitas, orgulho do governo comunista.

“O sistema bancário cubano está focado em medidas de caráter macroeconômico, pois as instituições financeiras devem dispor de ativos para liberar em função das novas capacidades de crédito demandadas pela economia”, disse Medina em declarações à agência estatal de informações.

O governo cubano disse que a medida não prejudicará a população, e que serão respeitados as poupanças bancárias em ambas as moedas.

(Por Nelson Acosta)