Laboratórios GSK e NewLink aceleram produção de vacina para Ebola

quarta-feira, 1 de outubro de 2014 17:16 BRT
 

GENEBRA (Reuters) - A empresas GlaxoSmithKline (GSK.L: Cotações) e NewLink Genetics (NLNK.O: Cotações) estão se empenhando para acelerar a produção de vacinas contra o Ebola, e têm como meta um “aumento muito significativo na escala durante a primeira metade de 2015”, informou a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quarta-feira.

Mesmo nas melhores condições, se as vacinas experimentais se mostrarem seguras e oferecerem proteção nos testes clínicos, um número considerável de doses só estará disponível após o final do primeiro trimestre do ano que vem, disse a entidade.

A GSK e a NewLink iniciaram a primeira fase dos testes com voluntários saudáveis ou o farão em breve em mais de 10 localidades da África, da Europa e da América do Norte, afirmou a OMS em um comunicado, após realizar uma reunião de dois dias com 70 especialistas.

Os dados de segurança iniciais são esperados até o final do ano, e a segunda fase dos testes acontecerá no começo do ano que vem para gerar mais dados.

“As duas empresas estão trabalhando para aumentar sua capacidade de produção. O objetivo é um aumento muito significativo na escala durante a primeira metade de 2015”, disse a OMS.

“O próximo passo é tornar estas vacinas disponíveis assim que possível –e em quantidades suficientes– para proteger assistentes em frentes de atuação críticas e para fazer a diferença na evolução futura da epidemia”, informou a agência.

Cerca de 800 frascos da vacina da NewLink, doadas pelo governo do Canadá, podem render ente 1.500 e duas mil doses, e a prioridade deve ser dada aos assistentes de saúde que consentirem em recebê-las, disse a OMS.

A vacina foi desenvolvida pela Agência de Saúde Pública canadense, mas a licença comercial é de propriedade da NewLink, que tem sede no Estado norte-americano de Iowa.

(Por Stephanie Nebehay)

 
Hospital Presbiteriano do Texas, onde está internado um paciente diagnosticado com Ebola. 01/10/2014 REUTERS/Mike Stone