Wall Steet fecha em queda por Ebola; ação da Petrobras recua 6% em Nova York

quarta-feira, 1 de outubro de 2014 19:00 BRT
 

NOVA YORK (Reuters) - Os índices de ações norte-americanos caíram mais de 1 por cento nesta quarta-feira, com o primeiro diagnóstico de Ebola em um paciente nos Estados Unidos assustando investidores e dados econômicos apontando para um crescimento irregular.

O índice Dow Jones caiu 1,4 por cento, para 16.804 pontos, o Standard & Poor's 500 perdeu 1,32 por cento, para 1.946 pontos e o Nasdaq Composite recuou 1,59 por cento, para 4.422 pontos.

A ação da Petrobras foi uma das mais negociadas na bolsa de Nova York, e fechou em queda de 6,27 por cento, a 13,30 dólares.

A notícia sobre o Ebola pressionou as ações de companhias aéreas e outras empresas de transportes, com o índice NYSE ARCA Airline em queda de 3,1 por cento, maior declínio percentual desde janeiro. O índice de transportes do Dow Jones caiu 2,5 por cento, maior queda percentual diária desde fevereiro.

As ações small-cap ampliaram as perdas recentes e o Russell 2000 fechou mais de 10 por cento abaixo de seu fechamento de 1.208 pontos no início de março, o que coloca o índice em território de correção. O índice fechou em queda de 1,5 por cento no dia.

A queda desta quarta-feira foi a terceira seguida do S&P 500 e se seguiu a sinais de expansão irregular da economia norte-americana. O crescimento da atividade industrial nos Estados Unidos desacelerou mais que o esperado em setembro, mesmo que as contratações do setor privado tenham acelerado.

O índice de volatilidade CBOE, que mede a apreensão de Wall Street, fechou em alta de 2,5 por cento.

As perdas do dia foram amplas, com os dez setores do S&P 500 fechando no vermelho, com exceção de utilidades públicas.

Entre as ações de companhias aéreas, a Southwest Airlines caiu 3,6 por cento, para 32,55 dólares e a Delta Air Lines recuou 3,5 por cento, para 34,90 dólares.

As ações das fabricantes que estão desenvolvendo medicamentos contra o Ebola subiram. Os papéis da Tekmira Pharmaceuticals tiveram alta de 18,2 por cento.

(Por Caroline Valetkevitch)