Exportação do agronegócio do Brasil recua 4,6% em 12 meses; setor de cana pesa

quarta-feira, 8 de outubro de 2014 18:58 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - As exportações do agronegócio do Brasil atingiram 97,88 bilhões de dólares no intervalo de 12 meses até setembro, queda de 4,6 por cento na comparação com o mesmo período anterior influenciada principalmente por uma derrocada acentuada dos embarques de açúcar, apontaram dados do Ministério da Agricultura nesta quarta-feira.

As vendas agropecuárias do Brasil responderam apor 41,1 por cento do total exportado pelo país, que somou 238,16 bilhões de dólares em 12 meses, baixa de 0,6 por cento em relação ao período anterior.

Os embarques de açúcar e etanol caíram 31,2 por cento no período, para 10,9 bilhões de dólares, com recuos em volumes (-19,8 por cento) e dos preços de vendas (-14,2 por cento), e a indústria sucroalcooleira apresentando-se como aquela com pior desempenho entre os grandes setores do agronegócio, segundo os números do ministério.

As exportações de açúcar do maior exportador global da commodity caíram 27 por cento na mesma comparação, para 9,8 bilhões de dólares, à medida que os embarques refletiram uma menor oferta em função da quebra de safra no centro-sul e também um interesse de venda limitado, por conta dos preços mais baixos diante da robusta oferta da commodity no mercado internacional.

As vendas externas de milho também caíram de forma acentuada, após o Brasil exportar volumes recordes no ano passado. Entre outubro de 2013 e setembro de 2014, o Brasil exportou o equivalente a 4,35 bilhões de dólares do cereal, baixa de 36,8 por cento, com um recuo nos volumes e nos preços.

As exportações do agronegócio no acumulado de 12 meses só não recuaram mais porque setores como a soja estão exportando valores recordes --em 12 meses, somaram 32,57 bilhões de dólares (grão, farelo e óleo), alta de 6,6 por cento na comparação com o período anterior.

Os embarques de carnes subiram no período 3,1 por cento, para 17,24 bilhões de dólares, com impulso da carne bovina, cujas vendas acumularam alta de 11,6 por cento, para 7,13 bilhões de dólares.

(Por Roberto Samora)