Delfim defende que Dilma anuncie novo ministro da Fazenda durante campanha

quinta-feira, 9 de outubro de 2014 11:35 BRT
 

Por Flavia Bohone

SÃO PAULO (Reuters) - A presidente e candidata a reeleição Dilma Rousseff (PT) deveria apresentar antes da votação do dia 26 um nome para comandar o Ministério da Fazenda em um eventual segundo mandato para dar credibilidade a uma proposta de recuperação da economia, disse o economista e ex-ministro da Fazenda Antônio Delfim Netto.

Para ele, Dilma e seu adversário no segundo turno, Aécio Neves (PSDB), precisarão apresentar nas próximas semanas propostas de estímulo ao crescimento econômico que transmitam credibilidade.

Aécio anunciou em 27 de agosto que, se eleito, nomeará o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga como ministro da Fazenda.

Dilma, enquanto isso, está em uma situação inusitada, depois de ter anunciado o ministro da Fazenda, Guido Mantega, não continuará no cargo caso seja reeleita.

"Hoje todo mundo sabe que o Aécio nomeou ministro e o Mantega está desnomeado (sic). Então o governo (Dilma) vai ter que apresentar seu campeão, para apresentar seu projeto crível", disse o economista em entrevista à Reuters.

Delfim afirmou que a petista precisa de um nome para liderar a equipe econômica "com a mesma credibilidade" de Armínio, mas não soube dizer se a presidente fará a nomeação antes da votação em 26 de outubro.

Uma fonte graduada do governo afirmou que Dilma até pode anunciar o substituto de Mantega durante a campanha, dependendo dos resultados das próximas pesquisas de intenção de voto. A fonte ressaltou que apenas a presidente e "talvez uma ou duas outras pessoas" saibam quem ela tem em mente para conduzir a Fazenda em um segundo mandato.

Delfim destacou a importância de se apresentar ideias para a economia que transmitam credibilidade.   Continuação...

 
A presidente e candidata a reeleição Dilma Rousseff deveria apresentar antes da votação do dia 26 um nome para comandar o Ministério da Fazenda em eventual segundo mandato, disse o economista Delfim Netto. 15/07/2013 REUTERS/Paulo Whitaker