Sabesp propõe redução de até 6% na retirada de água do Cantareira

sexta-feira, 10 de outubro de 2014 20:32 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A companhia de abastecimento e saneamento do Estado de São Paulo Sabesp afirmou nesta sexta-feira que propôs a órgãos reguladores uma redução de até 6 por cento na retirada de água do sistema de represas Cantareira durante a temporada chuvosa, que vai até abril do próximo ano.

A empresa disse que entregou à Agência Nacional de Águas (ANA) proposta de vazões de retirada do sistema Cantareira, o mais importante conjunto de represas que abastece a região metropolitana de São Paulo e cidades no nordeste paulista.

A proposta, necessária para que a ANA autorize a empresa a iniciar a captação de água da segunda reserva do chamado "volume morto", prevê imediata redução na vazão de 19,7 metros cúbicos por segundo para 19,3 metros cúbicos. A partir de novembro essa cota seria reduzida novamente para 18,5 metros cúbicos. A ANA disse que vai analisar a proposta "o mais rápido possível".

O plano de redução foi entregue após a reeleição do governador Geraldo Alckmin (PSDB).

A Sabesp afirmou que "antes da atual crise hídrica" retirava 31 metros cúbicos do sistema para abastecer a região metropolitana de São Paulo. A empresa, que classifica o volume morto como "reserva técnica", não deu detalhe sobre o período em que considera o início da crise.

O Sistema Cantareira teve seu nível de água rapidamente esgotado ao longo deste ano. Temperaturas mais altas que a média do início do ano aliadas a chuvas fracas do período não recuperaram as represas para o período do inverno, quando a pluviosidade normalmente é significativamente menor.

Enquanto isso, a Sabesp, controlada pelo governo estadual, evitou poupar os recursos do sistema por meio de racionamento na região metropolitana, afirmando que o rodízio no abastecimento trazia riscos sanitários à população e ao sistema de tubulações. A companhia preferiu adotar desconto nas contas de consumidores que economizam água, além de transferência de água de outros sistemas, como Alto Tietê e Guarapiranga.

Na quarta-feira, a presidente da empresa, Dilma Pena, admitiu a vereadores paulistanos durante sessão de CPI que a capital paulista tem sofrido "falta de água pontual", mas apenas em "áreas muito altas, muito longe de reservatórios, e também em residências com muitas pessoas e que tenham reservação muito pequena".

A empresa deve terminar obras para captar a segunda reserva do volume morto do Cantareira, água ainda mais próxima do fundo das represas e que segundo Pena é suficiente para garantir o abastecimento até meados de abril, a partir deste mês.   Continuação...