Calor intenso ameaça agravar problemas em áreas de café e cana do Brasil

segunda-feira, 13 de outubro de 2014 14:00 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - As altas temperaturas e a falta de chuva esta semana deverão afetar áreas de café e cana-de-açúcar do Brasil, ameaçando reduzir mais do potencial produtivo das lavouras, disseram meteorologistas nesta segunda-feira.

Os contratos futuros do café arábica e do açúcar bruto negociados em Nova York registraram altas por três semanas consecutivas e estão subindo novamente nesta segunda-feira, com maiores temores relacionados às chuvas de primavera, que estão atrasadas no país que é o maior produtor das duas commodities.

A umidade consistente ao longo dos próximos seis meses vai definir o tamanho das colheitas previstas para começarem, em sua maioria, no segundo trimestre de 2015.

A produção de café e açúcar do Brasil em 2014 foi dizimada por uma seca severa no início do ano. As precipitações também têm sido menores do que o normal no período mais seco, de abril e outubro, com áreas importantes de cultivos recebendo metade da umidade normal ao longo dos meses.

"Em São Paulo e Minas Gerais o tempo segue muito quente e sem nenhuma previsão para chuvas tanto para essa segunda-feira quanto para toda a semana", disse o agrometeorologista Marco Antonio dos Santos, da Somar.

Segundo o instituto, as temperaturas vão ultrapassar 34 graus Celsius em toda a região de cana e café, e chuvas são improváveis.

"Lavouras de café, cana de açúcar, laranja e demais culturas serão fortemente prejudicadas, havendo fortes quebras no potencial produtivo dessas lavouras", acrescentou.

A Somar e outros meteorologistas esperam que as precipitações mais fortes e generalizadas retornem somente depois de 23 de outubro, quando uma massa de ar seco sobre o Sudeste do Brasil será rompida. Isso permitirá que as frentes frias tragam umidade em uma região fundamental para a cana, café e laranja.

Um modelo de previsão estendida utilizado pelo serviço de meteorologia agrícola dos Estados Unidos Commodity Weather Group (CWG) mostrou chuvas de normais a acima da média de retornando à região cafeeira do Brasil em 11 a 15 dias.   Continuação...