Governo mantém decisão de reajustar gasolina este ano apesar de fim da defasagem, diz fonte

terça-feira, 14 de outubro de 2014 19:29 BRT
 

Por Luciana Otoni

BRASÍLIA (Reuters) - O governo brasileiro mantém a decisão de reajustar o preço da gasolina ainda este ano, mesmo diante do fim da defasagem entre os preços praticados no exterior e no mercado local, disse à Reuters uma fonte governamental com conhecimento sobre o tema.

A decisão se baseia, entre outros aspectos, na necessidade de melhorar o caixa da Petrobras, que vinha sofrendo com a venda do combustível no mercado doméstico por um preço inferior ao do mercado externo.

"Está mantida a decisão de que seja cumprida a regra anual de reajuste da gasolina", disse a fonte que pediu para não ser identificada.

A gasolina vendida pela Petrobras às distribuidoras de combustíveis está agora mais cara do que a média dos valores em prática no mercado externo, devido à queda acentuada do preço do petróleo, mostrou um relatório do Credit Suisse divulgado na terça-feira.

Conforme analistas do banco, o preço da gasolina no mercado internacional está 1 por cento mais baixo do que os valores no mercado doméstico brasileiro. Em 25 de setembro, os preços internacionais da gasolina estavam 24,3 por cento acima dos preços no mercado doméstico.

De acordo com a fonte, a cotação internacional do petróleo não é o único critério avaliado para se decidir sobre o reajuste de combustíveis.

"A Petrobras carregou a defasagem dos preços durante um período e isso tem que ser considerado", disse.

De janeiro a setembro deste ano, a defasagem dos preços da gasolina foi de 17,3 por cento, em média, segundo o Credit Suisse.   Continuação...