Vendas no varejo e preços ao produtor nos EUA oferecem sinais de cautela

quarta-feira, 15 de outubro de 2014 11:19 BRT
 

Por Jason Lange

WASHINGTON (Reuters) - As vendas no varejo dos Estados Unidos caíram em setembro e os preços pagos por empresas também recuaram, em sinais preocupantes de que a demanda do consumidor pode estar enfraquecendo enquanto a inflação não consegue ganhar força.

Os dois relatórios divulgados nesta quarta-feira podem aprofundar preocupações no Federal Reserve, banco central dos EUA, sobre a capacidade da economia de absorver elevações da taxa de juros programadas para começar na metade do ano que vem.

O Departamento do Comércio informou nesta quarta-feira que as vendas totais no varejo recuaram 0,3 por cento no mês. Analistas esperavam uma queda, já que a produção automotiva tem desacelerado e os preços do petróleo caído fortemente nos últimos meses por sinais de desaceleração do crescimento econômico global.

O fator que mais surpreendeu foi a queda do chamado núcleo de vendas, que desconsidera automóveis, gasolina, materiais de construção e serviços alimentares, e corresponde de maneira mais próxima ao componente de consumo do Produto Interno Bruto (PIB). Economistas consultados pela Reuters esperavam que alta dessa categoria, mas houve queda de 0,2 por cento em setembro.

"Os consumidores ficaram mais cautelosos", disse o economista do Morgan Stanley Ted Wieseman.

Os contratos futuros de ações norte-americanas caíram após a divulgação dos números, ampliando quedas anteriores causadas por preocupações sobre a economia global. Os rendimentos da dívida do governo dos EUA tiveram forte queda, um sinal de que investidores podem estar apostando que o Fed adiará as elevações dos juros.

O Fed tem mantido os juros perto de zero desde 2008 para incentivar o crescimento do emprego, encorajando empresas e consumidores a tomarem mais empréstimos.

Separadamente, o Departamento do Trabalho informou que os preços recebidos por produtores dos EUA recuaram 0,1 por cento em setembro, a primeira queda em mais de um ano.   Continuação...