Bovespa recua 3,24% com aversão a risco global e realização de lucro

quarta-feira, 15 de outubro de 2014 18:31 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A forte aversão a risco nos mercados internacionais deflagrou uma forte realização de lucros na Bovespa nesta quarta-feira, cujo principal índice chegou a 54 mil pontos no pior momento, enquanto as eleições presidenciais ficaram em segundo plano, com investidores no aguardo de novas pesquisas Ibope e Datafolha.

O Ibovespa encerrou em baixa de 3,24 por cento, a 56.135 pontos, após recuar a 54.919 pontos na mínima da sessão. Praticamente todos as ações da carteira teórica terminaram o dia no vermelho.

O volume financeiro somou 24,2 bilhões de reais, inflado por operações relacionadas ao vencimento de opções sobre o Ibovespa e do índice futuro, que também influenciaram o rumo do pregão.

As ações da Petrobras lideraram as perdas do índice nesta sessão, com recuo de cerca de 7 por cento, depois de terem acumulado os maiores ganhos no mês até a véspera, de cerca de 20 por cento. Até terça-feira, o Ibovespa acumulava valorização de 7 por cento em outubro.

"A eleição ficou um pouco de lado e a correlação com os mercados externos foi maior do que nos últimos dias, em meio a um aumento da aversão a risco global percebida principalmente nos Treasuries", disse o gestor Eduardo Roche, da Canepa Asset Management.

Os preços dos títulos de 30 anos do Tesouro dos Estados Unidos alcançaram a máxima em quase dois anos, enquanto o índice acionário europeu FTSEurofirst 300 teve a maior queda em quase três anos e o norte-americano S&P 500 chegou a cair mais de 2 por cento na mínima.

Apreensões com o crescimento global, após novos dados decepcionantes nos EUA e números de inflação na China, bem como temores sobre os efeitos da epidemia do Ebola sustentaram a correção negativa nos mercados.

Do front político, o mercado ficou na expectativa de divulgação de levantamentos Ibope e Datafolha nesta noite. O primeiro debate na TV entre os presidenciáveis Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB), na noite de terça, não produziu grande efeito no rumo das negociações no mercado acionário.   Continuação...