Bovespa cai 3% e quase zera ganhos do mês por aversão a risco

quinta-feira, 16 de outubro de 2014 17:55 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da Bovespa fechou em queda pelo segundo dia seguido nesta quinta-feira e quase zerou os ganhos acumulados no mês, ainda sob efeito da onda de aversão a risco que se espalhou nos mercados externos por preocupações com o crescimento global.

Agentes financeiros locais também repercutiram pesquisas eleitorais confirmando empate técnico entre o candidato Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) na disputa presidencial, e em particular o aumento na rejeição ao candidato tucano revelado pelo Datafolha.

O Ibovespa encerrou em baixa de 3,27 por cento, a 54.298 pontos, com quase todas as ações da carteira teórica no vermelho, na segunda sessão seguida de queda.

O declínio apurado na véspera e nesta sessão reduziu o ganho acumulado no mês para 0,34 por cento, ante os 7,2 por cento contabilizados até a terça-feira.

O volume financeiro do pregão somou 10,5 bilhões de reais.

No exterior, as bolsas nos Estados Unidos ensaiaram uma reação, após dados de auxílio-desemprego e comentários do presidente do Fed de St Louis, James Bullard, mas teve dificuldade de firmar-se no azul, diante da apreensão sobre o potencial impacto da fraqueza da demanda global na economia norte-americana.

O S&P 500 encerrou o dia praticamente estável. Na Europa, mais cedo, FTSEurofirst 300 tocou a mínima de 13 meses antes de fechar em queda de 0,49 por cento.

Muitos profissionais veem o movimento como realização de lucros e redução de exposição a risco com o quadro mais incerto, uma vez que há poucas semanas o S&P 500 estava na máxima recorde, enquanto o europeu atingia a maior cotação em vários anos, mesmo com a recuperação econômica ainda lenta.   Continuação...