20 de Outubro de 2014 / às 19:14 / 3 anos atrás

Dólar sobe 1% após CNT/MDA mostrar vantagem numérica de Dilma sobre Aécio

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta de mais de 1 por cento sobre o real nesta segunda-feira, após pesquisa de intenção de voto CNT/MDA mostrar a presidente Dilma Rousseff (PT) em vantagem numérica contra Aécio Neves (PSDB), mas em empate técnico, a poucos dias do segundo turno das eleições presidenciais.

A moeda norte-americana fechou com alta de 1,28 por cento, a 2,4637 reais na venda, depois de atingir 2,4658 reais na máxima, nos últimos negócios da sessão.

“O mercado está com medo de que o Aécio esteja começando a entrar numa trajetória de queda”, afirmou o gerente de câmbio da corretora Advanced, Celso Siqueira.

A primeira pesquisa CNT/MDA divulgada após o primeiro turno mostrou Dilma com 50,5 por cento e Aécio com 49,5 por cento dos votos válidos no segundo turno, marcado para o próximo domingo. A margem de erro do levantamento é de 2,2 pontos percentuais.

Além disso, a rejeição aos dois candidatos está muito parecida: a presidente tem 40,7 por cento e o tucano, 41 por cento.

A presidente e o tucano vêm aparecendo em empate técnico nas últimas pesquisas de intenção de voto. A incerteza sobre o resultado das eleições tem injetado volatilidade nos mercados domésticos, que preferem o tucano por prometer uma política econômica mais ortodoxa.

Deve sair nesta segunda-feira o próximo levantamento do Datafolha, que é mais acompanhado pelos investidores junto com o Ibope.

“Daqui até domingo, o mercado vai refletir as apostas sobre o resultado (da eleição) e todo o resto vai ser secundário”, afirmou o operador de câmbio da corretora Intercam, Glauber Romano.

Tanto no mercado à vista quanto no futuro, o volume de negociações ficou bastante abaixo da média, refletindo a relutância dos investidores em montar posições sem saber qual será a reação do mercado após a eleição, no domingo.

Segundo dados da BM&F, o giro financeiro no mercado à vista ficou em torno de 830 milhões de dólares, contra a média de 1,5 bilhão de dólares desde o início do mês. Já no mercado futuro, foram negociados cerca de 200 mil contratos, abaixo da média diária de outubro de cerca de 390 mil contratos.

“Parte do motivo por que o movimento (do câmbio) foi tão forte hoje foi a baixíssima liquidez. Qualquer negócio, por menor que seja, acaba fazendo preço”, disse o operador de câmbio de uma corretora internacional, sob condição de anonimato.

Pela manhã, o Banco Central vendeu a oferta total de até 4 mil swaps cambiais, que equivalem a venda futura de dólares, pelas atuações diárias. Foram vendidos 2,7 mil contratos para 1º de junho e 1,3 mil para 1º de setembro de 2015, com volume correspondente a 197,5 milhões de dólares.

O BC também vendeu a oferta total de até 8 mil swaps para rolagem dos contratos que vencem em 3 de novembro. Ao todo, a autoridade monetária já rolou cerca de 62 por cento do lote total, equivalente a 8,84 bilhões de dólares.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below