Dólar sobe 0,52% por Datafolha, mas reduz alta após atingir R$2,50

terça-feira, 21 de outubro de 2014 17:22 BRST
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta nesta terça-feira, após pesquisa Datafolha mostrar liderança numérica da presidente Dilma Rousseff (PT) contra Aécio Neves (PSDB), mas o avanço foi limitado pelo bom humor nos mercados internacionais.

A moeda norte-americana subiu 0,52 por cento, a 2,4766 reais, depois de passar toda a manhã em alta de cerca de 1 por cento. Na máxima desta sessão, chegou a 2,5038 reais, valorização de 1,63 por cento.

Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 2 bilhões de dólares.

"Mais uma vez tivemos uma pesquisa que decepcionou o mercado. A reação, naturalmente, é negativa", afirmou o diretor de câmbio da corretora Pioneer, João Medeiros.

A menos de uma semana do segundo turno, marcado para o próximo domingo, levantamento do Datafolha mostrou a presidente com 52 por cento dos votos válidos, contra 48 por cento de Aécio, com margem de erro de 2 pontos percentuais. Além disso, a rejeição ao tucano superou a de Dilma, mas também dentro da margem de erro.

A alta foi mais expressiva na primeira metade do pregão, mas perdeu força na esteira do bom humor nos mercados internacionais, após o crescimento econômico da China no terceiro trimestre vir ligeiramente acima das expectativas de analistas.

No Brasil, segundo analistas, o dólar tem espaço para subir ainda mais se Dilma, cuja política econômica é criticada por profissionais do mercado, ampliar sua liderança.

"É uma questão de credibilidade", disse o superintendente de derivativos de uma gestora de recursos internacional, argumentando que o mercado aposta que um governo de Aécio contaria com mais confiança do mercado. "Isso faria o dólar não subir de forma desordenada, mesmo com o fim do programa de intervenções do Banco Central", acrescentou.   Continuação...