Bovespa fecha estável, mas prudência com eleição no domingo reduz giro

quarta-feira, 22 de outubro de 2014 18:07 BRST
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa fechou praticamente estável nesta quarta-feira, em sessão marcada por volume reduzido, reflexo de um mercado cauteloso antes da definição da eleição presidencial no domingo.

A ausência de grandes novidades na cena eleitoral amparou uma trégua na forte queda dos últimos dois dias, de quase 6 por cento, por ajustes ao cenário com Dilma Rousseff (PT) à frente numericamente na corrida presidencial.

O Ibovespa encerrou com variação negativa de 0,04 por cento, a 52.411 pontos, renovando o menor patamar desde 5 de junho.

No melhor momento da sessão, o principal índice da bolsa paulista alcançou 53.229 pontos, com alta de 1,52 por cento, acompanhando a melhora de Wall Street. Mas as bolsas nos Estados Unidos enfraqueceram, respingando na Bovespa.

O volume financeiro do pregão somou 7 bilhões de reais, bem abaixo da média diária de outubro, de 10,9 bilhões de reais até o dia 21.

Pesquisa Datafolha publicada nesta quarta-feira manteve resultado de levantamento conhecido na segunda-feira: Dilma com 52 por cento dos votos válidos e Aécio Neves (PSDB) com 48 por cento, em empate técnico no limite da margem de erro.

O analista Marco Aurélio Barbosa, da CM Capital Markets, avalia que a liderança da presidente dentro da margem de erro já está bastante precificada, e que o Ibovespa não deve variar muito se novas pesquisas repetirem tal cenário.

Barbosa, contudo, avalia que novas quedas podem acontecer se a vantagem de Dilma aumentar, embora não vislumbre "o fim do mundo" na bolsa, mesmo no caso de reeleição da petista, pois o mercado já ajustou bastante.   Continuação...