Azul pode adiar ou cancelar encomendas à Embraer dependendo de mudanças em aviação regional

segunda-feira, 10 de novembro de 2014 20:27 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Azul, terceira maior empresa aérea do Brasil, pode adiar ou cancelar encomendas de jatos regionais da Embraer se o Congresso Nacional aprovar um projeto sobre aviação regional, disse o presidente-executivo da companhia à Reuters na segunda-feira.

     As mudanças propostas para um projeto de lei elaborado pela presidente Dilma Rousseff tiraria vantagem competitiva de jatos feitos pela Embraer em rotas regionais que o governo quer incentivar.

     "O que está acontecendo é uma distorção do plano, que torna mais atraente voar com aviões maiores", disse o presidente-executivo da Azul, Antonoaldo Neves. Ele disse que poderia adicionar aviões maiores da Boeing ou da Airbus.

Segundo Neves, um pedido de 30 unidades da próxima geração de aeronaves E195-E2 da Embraer, que entrará em serviço em 2019, está em jogo. Ele disse que também não teria necessidade de oito jatos da geração atual E195, que devem ser entregues em 2015.

     O plano de aviação regional está se transformando em uma das primeiras grandes lutas legislativas desde a reeleição de Dilma no mês passado, já que ele enfrenta parlamentares encorajados por vitórias regionais da oposição.

     O senador Fernando Flexa Ribeiro (PSDB-PA), relator do projeto de lei, vai se reunir com ministros na terça-feira, antes de uma votação por uma comissão.

Flexa Ribeiro disse à Reuters que quer remover o limite de 60 lugares subsidiados em vôos regionais e em vez disso propor subsídio de 50 por cento dos assentos.

     Neves reclamou que a medida incentivaria o uso de aviões maiores e desencorajaria companhias aéreas a adicionar mais rotas para aeroportos mais carentes.

     "Se o plano for aprovado sem limite de assento, eu vou sair de 20 cidades no próximo ano", disse. "Vou levar esses recursos e colocá-los em cidades onde posso voar aviões maiores."   Continuação...