Alemã Henkel eleva projeção de margem apesar de tensão na Rússia

terça-feira, 11 de novembro de 2014 10:21 BRST
 

FRANKFURT (Reuters) - O grupo alemão de bens de consumo Henkel disse que conseguiu expandir seu negócio na Rússia no terceiro trimestre e elevou levemente sua projeção para o ano graças à demanda em mercados emergentes por seus detergentes em pó, produtos de beleza e adesivos industriais.

No entanto, a empresa disse que o ambiente econômico está se tornando mais desafiador.

"Estamos diante de um conflito contínuo entre Rússia e Ucrânia e agitação política persistente no Oriente Médio", disse o presidente-executivo Kasper Rorsted em comunicado. "No geral, a perspectiva econômica está se tornando cada vez mais desafiadora."

A Henkel, dona das colas Pritt e dos produtos de limpeza Persil, disse que apesar das tensões políticas, seu negócio na Rússia deu uma "contribuição acima da média" para o crescimento de vendas de 3,1 por cento alcançado no leste europeu no terceiro trimestre. A Rússia é o quarto maior mercado da Henkel, com vendas anuais de cerca de 1 bilhão de euros (1,24 bilhão de dólares).

O lucro antes de juros e impostos (Ebit) ajustado da Henkel subiu 3,1 por cento no trimestre para 693 milhões de euros, superando a previsão média de analistas de 683 milhões, ajudado pela demanda por produtos para casa e lavanderia em regiões como África, Oriente Médio e América Latina.

A Henkel disse que agora projeta uma margem Ebit ajustada - lucro operacional como porcentagem das vendas - para o ano de "pouco abaixo de 16,0 por cento". Anteriormente, o grupo tinha como meta uma margem de 15,5 por cento, ante 15,4 em 2013.

A companhia ainda prevê um crescimento orgânico de vendas de entre 3 a 5 por cento no ano.

(Por Kirsti Knolle)