CGU abre processo punitivo contra SBM Offshore, fornecedora da Petrobras

quarta-feira, 12 de novembro de 2014 17:54 BRST
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Controladoria Geral da União (CGU) determinou a abertura de processo de punição contra a holandesa SBM Offshore --que afreta plataformas para a Petrobras--, a partir de uma sindicância instaurada em abril para apurar supostos pagamentos de suborno a funcionários da estatal com o objetivo de obter contratos, informou a CGU nesta quarta-feira.

Ao fim do processo, caso irregularidades sejam comprovadas, a holandesa poderá ser impedida de celebrar novos contratos com a Petrobras.

A SBM será notificada para apresentar sua defesa após a publicação da portaria de instauração do processo no Diário Oficial da União (DOU), prevista para os próximos dias.

A CGU ponderou, no entanto, que a SBM já a procurou com vistas a um possível acordo no qual se compromete a colaborar com as investigações. Caso o acordo seja fechado, a holandesa pode ficar livre de ser proibida de contratar com a Petrobras.

"A CGU tem se posicionado de forma favorável (ao acordo), tendo em vista a postura cooperativa da SBM, mas será necessário que ela concorde com os termos exigidos pela Controladoria, incluindo o ressarcimento dos prejuízos, para que o acordo seja concretizado", disse a CGU, em nota à imprensa.

A controladoria, de acordo com nota publicada, também busca responsabilizar individualmente agentes que, por ventura, tenham se envolvido nos supostos atos ilícitos ligando a SBM e a Petrobras.

Para isso, também instaurou seis primeiros Processos Administrativos Sancionadores, que envolvem empregados, ex-empregados e ex-diretores da Petrobras, de acordo com a CGU.

"Esses processos estão em andamento na Corregedoria da CGU e tem contado com a colaboração integral da direção da Petrobras", afirmou a controladoria.

Auditorias internas das empresas concluíram preliminarmente que não houve evidências do pagamento de propina.

(Por Marta Nogueira)