Superintendência do Cade recomenda aprovação condicionada da fusão entre Holcim e Lafarge

segunda-feira, 17 de novembro de 2014 11:22 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) recomendou ao tribunal da autarquia a aprovação da fusão entre as fabricantes de cimento Holcim e Lafarge, condicionada à celebração do acordo em controle de concentrações proposto pelas companhias.

A recomendação foi publicada em despacho no Diário Oficial da União desta segunda-feira.

Anunciada em abril, a união entre as empresas deve criar o maior grupo de cimento do mundo, com mais de 40 bilhões de dólares em vendas anuais.

A fusão foi, desde o início, projetada para ser acompanhada pela venda de bilhões de dólares em ativos, a fim de que a aprovação regulamentar fosse garantida em todo o mundo.

Em documento submetido ao Cade, as companhias informaram que a proposta de pacote de desinvestimento no Brasil abrange "ativos significativos, viáveis e de alta qualidade relacionados a uma gama completa de produtos competitivos".

Em relação ao cimento, as empresas disseram estar dispostas a desinvestir fábricas e locais de produção, incluindo os seus centros de distribuição externos, que se sobrepõem considerando um raio de 300 quilômetros.

O parâmetro abrange cinco fábricas, incluindo a unidade integrada em Arcos (MG), a planta de moagem no mesmo local, a unidade integrada em Matozinhos (MG) e a unidade de moagem em Santa Luzia (MG), todas da Lafarge, além da unidade integrada da Holcim em Cantagalo (RJ).

Já para o concreto, estão incluídas na proposta de pacote de desinvestimento a fábrica da Holcim em Pouso Alegre e a da Lafarge em Arcos, ambas em Minas Gerais.

Se limitando à dizer que a proposta de pacote de desinvestimento é "financeiramente forte", as companhias não abriram as receitas geradas com os negócios no ano passado, tratando os dados como informações confidenciais.   Continuação...

 
Bandeira da Suiça em uma fábrica da Holcim. 07/04/2014 REUTERS/Arnd Wiegmann