Para Fed, inflação baixa ainda é inimigo provável, mostra estudo

segunda-feira, 17 de novembro de 2014 16:19 BRST
 

SAN FRANCISCO (Reuters) - É duplamente mais provável que o Federal Reserve, banco central norte-americano, enfrente inflação baixa do que inflação alta daqui a dois anos, de acordo com um estudo publicado nesta segunda-feira pelo Fed de San Francisco.

O estudo, assinado pelo economista sênior do Fed de San Francisco Vasco Cúrdia, sugere que a política monetária persistentemente expansionista não deve provocar a inflação acelerada temida por algumas autoridades. Ao fim de 2016, mostrou a pesquisa, a chance de que a inflação esteja acima de 3 por cento é de 16 por cento ou menos.

Já a probabilidade de que a alta dos preços esteja abaixo de 1 por cento é de cerca de 30 por cento.

Historicamente, a probabilidade de inflação alta no futuro tem superado a chance de inflação baixa. Mas desde a crise financeira de 2008 e os pesados esforços do Fed para estimular a economia, a situação se inverteu.

"A política monetária parece estar longe de causar inflação excessiva sob as atuais circunstâncias", escreveu Cúrdia.

Embora a inflação tenha acelerado no primeiro semestre de 2014, já diminuiu o ritmo para cerca de 0,5 ponto percentual abaixo da meta de 2 por cento do Fed. "Não devemos ver a inflação começar a se recuperar de forma mais firme até o fim de 2015", disse Cúrdia.

O estudo pode fortalecer a tese de alguns integrantes do Fed, incluindo o presidente do Fed de San Francisco, John Williams, de que o banco central pode continuar paciente antes de elevar os juros, mesmo com o desemprego recuando mais rapidamente do que o esperado.

O Fed tem mantido os juros perto de zero desde dezembro de 2008.

(Reportagem de Ann Saphir)