Dilma está "perto" de anunciar próximo ministro da Fazenda, diz fonte

quarta-feira, 19 de novembro de 2014 20:39 BRST
 

Por Brian Winter

SÃO PAULO (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff está "perto" de anunciar o próximo ministro da Fazenda, disse uma fonte do governo nesta quarta-feira, escolha que ajudará a definir se ela adotará uma postura mais favorável aos mercados ou dobrará a aposta em políticas mais intervencionistas.

A fonte, que falou sob condição de anonimato, recusou-se a dizer exatamente quando a decisão será anunciada ou quem será escolhido para substituir o atual ministro, Guido Mantega.

"É provavelmente a decisão mais importante que ela tomará pelo resto de sua Presidência", disse a fonte, explicando por que Dilma tem esperado tanto tempo para anunciar sua escolha após obter a reeleição em 26 de outubro.

Alguns investidores têm especulado que o anúncio pode vir já nesta quarta-feira, já que boa parte dos mercados não abrirão na quinta-feira, o que daria a investidores tempo para digerir a notícia.

Dilma disse que nomearia o sucessor de Mantega após voltar da cúpula do G20, que ocorreu na Austrália no último fim de semana. Ela voltou na segunda-feira e passou a maior parte de terça-feira com seu assessor mais próximo, o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante.

A pressão sobre Dilma tem crescido nos últimos dias para nomear o sucessor de Mantega, com o crescente escândalo da operação Lava Jato, envolvendo a Petrobras, ameaçando ofuscar seu segundo mandato e prejudicar a economia já estagnada.

Muitos investidores torcem para que ela escolha Henrique Meirelles, ex-presidente do BC de 2003 a 2010, que sinalizaria mais ênfase em cortes nos gastos públicos e combate à inflação.

Dilma também está considerando o atual presidente do BC, Alexandre Tombini, e o ex-secretário-executivo da Fazenda Nelson Barbosa. Os dois nomes sinalizariam uma continuidade maior e provavelmente decepcionariam investidores.   Continuação...

 
Presidente Dilma Rousseff durante evento no Palácio do Planalto, em Brasília, em foto de arquivo. 05/11/2014 REUTERS/Ueslei Marcelino