Wall St fecha em leve queda após ata do Fed trazer poucas pistas sobre juros

quarta-feira, 19 de novembro de 2014 19:53 BRST
 

Por Caroline Valetkevitch

NOVA YORK (Reuters) - Os principais índices acionários dos Estados Unidos encerraram em leve queda nesta quarta-feira, após a ata do Federal Reserve dar poucas pistas sobre quando as taxas de juros podem começar a subir na maior economia do mundo.

O índice Dow Jones .DJI teve variação negativa de 0,01 por cento, a 17.685 pontos, enquanto o S&P 500 .SPX teve perda de 0,15 por cento, a 2.048 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq .IXIC caiu 0,57 por cento, a 4.675 pontos.

A ata da reunião de outubro do Federal Reserve, quando o banco central decidiu finalmente encerrar o programa de compra de títulos, indicou um debate entre os diretores sobre a perspectiva para a inflação e para a economia.

"O mercado não sabe realmente como reagir a isso, se é um comunicado 'hawkish' (linha dura) ou 'dovish' (expansionista), mas a realidade é que eu acho que é um comunicado sincero de que estamos em um momento muito interessante com pontos favoráveis e desfavoráveis para a economia", disse o diretor-geral e de investimento da LPL Financial, Burt White.

Após a divulgação da ata, as taxas de juro futuras de curto prazo ainda mostravam apostas em um primeiro aumento dos juros pelo Fed até setembro do próximo ano.

Empresas de tecnologia estavam entre as principais quedas do mercado, com o Nasdaq apresentando um desempenho pior que o Dow Jones e do S&P 500. Ações da Microsoft (MSFT.O: Cotações) caíram 1,1 por cento, a 48,22 dólares e os papéis da Qualcomm (QCOM.O: Cotações) tiveram perda de 2,1 por cento, para 70,47 dólares.

As ações da Netflix (NFLX.O: Cotações), que caíram 4,7 por cento, a 363,10 dólares, também influenciaram a queda do Nasdaq.

Entre as principais altas do S&P 500, as ações da Target (TGT.N: Cotações) subiram 7,4 por cento, para 72,50 dólares e da Lowe's (LOW.N: Cotações) ganharam 6,4 por cento, a 62,26 dólares, ambas após divulgação de resultados.

Mais cedo, nesta quarta-feira, analistas do Goldman Sachs disseram que uma vez que o Fed comece a apertar a política monetária, o banco central aumentaria as taxas de juros de curto prazo mais rápido e para patamares maiores que as atuais expectativas de mercado.