JBS avançará na Ásia com aquisição na Austrália; alavancagem muda pouco

sexta-feira, 21 de novembro de 2014 13:42 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A JBS, maior produtora global de carnes, avaliou nesta sexta-feira que a aquisição do Grupo Primo Smallgoods, na Austrália, por 1,25 bilhão de dólares, permitirá maior expansão de vendas para a Ásia, sem alterar de forma substancial os indicadores de endividamento da companhia, que disse ter caixa para o negócio.

Os ganhos com o mercado asiático, a partir de operação da JBS já existente na Austrália, somam-se à expectativa de sinergia de 30 milhões de dólares australianos projetada com a aquisição da Primo, que tem receitas anuais estimadas de mais de 1 bilhão de dólares.

"A aquisição tem sentido estratégico tremendo para JBS, está consistente com estratégia global de expansão do nosso portfólio em produtos de maior valor agregado", destacou o presidente da JBS, Wesley Batista, em teleconferência nesta sexta-feira, comentando o negócio anunciado na noite anterior.

"Talvez o maior benefício é a posição estratégica dessa operação... para servir o mercado asiático", disse Batista.

Segundo ele, a companhia espera avançar em vendas para Coreia do Sul, Cingapura, Hong Kong, além da China, que firmou recentemente um tratado de livre comércio com a Austrália, o que deixa o país ainda mais competitivo para vender ao grande mercado chinês.

O Grupo Primo é líder em produtos processados como presunto, salsicha e bacon na Austrália e na Nova Zelândia e possui cinco unidades produtivas, sete centros de distribuição e 30 lojas de varejo.

Uma das unidades de processados é nova e também uma das melhores do mundo, segundo Batista, com capacidade de produzir o dobro do que produz atualmente sem a necessidade de investimentos.

A propósito, Batista destacou que a empresa tem caixa para fazer as aquisições, incluindo os 430 milhões a serem pagos na compra da brasileira Big Frango, anunciada simultaneamente.

Nenhuma das duas operações está sujeita, necessariamente, a financiamento, disse o executivo.   Continuação...

 
Foto de arquivo de um açougueiro cortando pedaços de carne em abatedouro em São Paulo. 09/09/2005 REUTERS/Paulo Whitaker