ONS eleva previsão para nível de represas no Sudeste e Centro-Oeste em novembro

sexta-feira, 21 de novembro de 2014 16:42 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) elevou nesta sexta-feira a previsão para o nível das represas no Sudeste e Centro-Oeste no fim de novembro, prevendo chuva fraca a moderada nas bacias hidrográficas dessas regiões.

A expectativa para o nível das represas no SE/CO foi ajustada para 15,5 por cento no final do mês, ante projeção de 14,9 por cento divulgada na semana passada. Na véspera, o nível dos reservatórios nessas regiões era de 15,78 por cento.

No relatório semanal Programa Mensal de Operação (PMO), o ONS destacou que a atuação de áreas de instabilidade associadas a passagem de um sistema frontal pelas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste deve ocasionar chuva fraca a moderada nas bacias hidrográficas dessas regiões.

Para o Nordeste, a previsão para o nível das represas no final de novembro também foi elevada para 13,5 por cento, em comparação com 12,6 por cento previstos na semana passada e com patamar de 13,22 por cento apurado na quinta-feira.

Mais cedo, o ONS já havia reduzido no Informativo do Programa Mensal de Operação (IPMO) a expectativa de crescimento de carga de energia no subsistema Sudeste/Centro-oeste para 0,5 por cento em novembro sobre igual mês do ano passado, ante alta de 2,3 por cento estimada na semana passada.

No PMO, o ONS atribuiu a diminuição ao comportamento da indústria na região, que vem apresentando nível de produção reduzida.

"Além disso, destaca-se a ocorrência, na última semana, de temperaturas inferiores às registradas no início do mês, o que impacta no consumo das classes residencial e comercial", disse o informe do ONS.

Para a região Nordeste, a previsão de expansão de carga de energia em novembro foi reduzida para 5,0 por cento, ante projeção anterior de 5,7 por cento.

Já para o Sistema Interligado Nacional (SIN) como um todo, o ONS diminuiu a previsão para alta de 2 por cento em novembro sobre um ano antes. Na semana passada, a estimativa era de crescimento de 3,2 por cento.   Continuação...