CÂMBIO-Dólar fecha em alta de 1% ante o real, após recuar a R$2,50 no intradia

segunda-feira, 24 de novembro de 2014 17:25 BRST
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta de mais de 1 por cento nesta segunda-feira, com investidores indo às compras após a divisa norte-americana recuar a 2,50 reais no início da sessão ainda refletindo o otimismo gerado por notícias sobre a escolha da equipe econômica da presidente Dilma Rousseff.

A moeda norte-americana subiu 1,08 por cento, a 2,5488 reais na venda, após atingir 2,5021 reais na mínima da sessão e 2,5535 reais na máxima. Segundo dados da BM&F, o volume financeiro ficou em torno de 1,1 bilhão de dólares.

"O mercado aproveitou a queda para recomprar (dólares)", disse o operador de um importante banco nacional, ressaltando que, apesar da perspectiva de mudança na política econômica, a deterioração dos fundamentos macroeconômicos brasileiros sustenta a cautela dos investidores.

Na sessão de sexta-feira, a divisa norte-americana recuou pouco mais de 2 por cento, animada por notícias de que a equipe econômica será composta por Joaquim Levy, Nelson Barbosa e Alexandre Tombini. A trinca agradou o mercado e, segundo operadores, indica que a presidente Dilma reconhece a necessidade de mudança na política econômica.

A expectativa era que o anúncio --com Levy no Ministério da Fazenda, Barbosa no Ministério do Planejamento e Tombini no Banco Central-- acontecesse na própria sexta-feira, mas isso não se confirmou. Duas fontes do governo disseram à Reuters que o governo decidiu esperar a aprovação no Congresso do projeto de lei que amplia o abatimento da meta de superávit primário neste ano.

O dólar chegou a ampliar essas perdas no início da sessão desta segunda-feira, mas reverteu o movimento no início da manhã e firmou-se em alta durante todo o resto do dia.

"O dólar vai ter dificuldade para cair muito mais até que a equipe (econômica) seja efetivamente confirmada ou que haja mais detalhes sobre quais medidas vão ser adotadas", disse o operador de câmbio da corretora B&T Marcos Trabbold.

Agentes financeiros criticam a atual política econômica por, segundo eles, contribuir para gerar inflação alta e crescimento baixo. Segundo analistas, também não ajudou o ânimo o déficit de conta corrente recorde para outubro, anunciado no fim da manhã.   Continuação...