GSK cortará empregos nos EUA como parte de redução de custos de US$1,6 bi, dizem fontes

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014 10:58 BRST
 

LONDRES (Reuters) - A GlaxoSmithKline (GSK.L: Cotações) informará nesta semana a funcionários nos Estados Unidos sobre centenas de cortes de empregos em seu maior mercado, uma vez que o fabricante de medicamentos começa a implementar um grande programa de redução de custos, disseram fontes familiarizadas com o assunto no domingo.

A maior farmacêutica da Grã-Bretanha anunciou junto aos resultados do terceiro trimestre em 22 de outubro que o novo esquema de reestruturação economizará 1 bilhão de libras (1,56 bilhão de dólares) em custos anuais durante três anos, mais ainda não disse aos empregados onde que os cortes serão feitos.

Os funcionários nos EUA, onde a GSK tem enfrentado uma queda nas vendas de medicamentos para problemas respiratórios, serão informados das mudanças na quarta-feira pela chefe de produtos farmacêuticos na América do Norte, Deirdre Connelly, disseram as fontes.

Um porta-voz da GSK não quis entrar em detalhes, mas disse que o objetivo do programa de reestruturação é melhorar o desempenho reduzindo a complexidade e formando uma organização menor, mais focada e com custos menores.

"Cada unidade de negócios está hoje decidindo como responder a estes desafios. Quando tivermos propostas, primeiro as compartilharemos com nossos funcionários", disse ele em comunicado via email.

Drogas para problemas respiratórios têm sido tradicionalmente o negócio mais forte da GSK, e o Advair - medicamento inalável para asma e doença pulmonar crônica - é o mais vendido. Mas agora as vendas do Advair estão caindo nos EUA, onde os novos medicamentos pulmonares Breo e Anoro estão demorando para deslanchar.

O Advair foi impactado por concorrência de rivais e uma tendência crescente de seguradora de saúde dos EUA de usar táticas duras para fazer com que farmacêuticas cortem os preços de produtos mais antigos.

A operação de reformulação da GSK nos EUA visa a defender as margens da companhia neste ambiente difícil. As mudanças também levarão em conta a movimentação de alguns funcionários resultantes de uma complexa transação de troca de ativos com a Novartis NOVN.VX, que está assumindo o controle do negócio de oncologia da GSK.

(Por Ben Hirschler)