Brasil tem déficit comercial recorde em novembro e deve fechar ano com saldo negativo

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014 20:38 BRST
 

Por Luciana Otoni

BRASÍLIA (Reuters) - A balança comercial registrou déficit de 2,35 bilhões de dólares no mês passado, no pior resultado para meses de novembro, por conta da forte queda nas exportações, e deve fechar o ano com o primeiro saldo negativo desde 2000, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira pelo governo.

De janeiro a novembro, a balança comercial acumula déficit de 4,22 bilhões de dólares, no pior resultado para o período desde 1998.

"Tudo indica que teremos déficit no encerramento do ano", disse o diretor do Departamento de Estatísticas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Roberto Dantas, a jornalistas nesta segunda-feira.

Apesar de negativo, o resultado de novembro veio um pouco melhor que o esperado por especialistas consultados pela Reuters, que projetavam pela mediana déficit de 2,7 bilhões de dólares. Em outubro, a balança comercial teve déficit de 1,177 bilhão de dólares.

A última vez que a balança registrou déficit nos dados consolidados anuais foi em 2000, quando o saldo ficou negativo de 732 milhões de dólares.

O déficit registrado em novembro é o maior para o mês da série histórica iniciada com Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex), em 1994. Mas, segundo Dantas, mesmo antes de 1994 a balança não registrava déficit tão grande em novembro.

As exportações em novembro somaram 15,6 bilhões de dólares, recuo de 25 por cento pela média diária em relação a novembro de 2013, com queda nas vendas de produtos básicos (-25 por cento), manufaturados(-31,7 por cento) e semimanufaturados (-6,2 por cento).

Entre itens básicos as quedas mais relevantes foram nas exportações de minério de ferro (-47,5 por cento), petróleo em bruto (-12,6 por cento), farelo de soja (-34,3 por cento) e soja em grão (-76,6 por cento). Entre os manufaturados, destacam-se as retrações em veículos de carga (-46,8 por cento) e automóveis de passageiros (-39,8 por cento). Entre os semimanufaturados, alguns dos maiores recuos foram de ferro fundido (-41 por cento) e açúcar em bruto (-11,9 por cento).   Continuação...

 
Notas de 100 dólares fotografadas em banco em Seul, na Coreia do Sul. 20/09/2011 REUTERS/Lee Jae-Won