BNDES estima alta de 17% em investimentos no Brasil entre 2015 e 2018

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014 12:53 BRST
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) estimou nesta quarta-feira investimentos na economia brasileira de 4,1 trilhões de reais entre 2015 e 2018, um incremento de 17 por cento em relação aos 3,5 trilhões realizados entre 2010 e 2013.

O setor industrial, segundo o estudo do banco, deve investir 909 bilhões de reais nos próximos quatro anos ante 767 bilhões entre 2010 e 2013, uma alta de 18,5 por cento.

"O que há de interessante em relação ao último estudo, além do aumento da perspectiva de investimentos, é uma melhora na qualidade dessa expansão, onde se vê nitidamente uma maior preocupação com questões ambientais e da economia verde", disse a jornalistas o economista-chefe da área de pesquisas econômicas do banco, Fernando Puga.

Segundo o BNDES, o destaque do segmento industrial deverá ser o setor de petróleo e gás, com estimativa de aumento dos investimentos de 358 bilhões para 509 bilhões de reais, ou alta de 42 por cento, entre 2015 e 2018.

"No setor de óleo e gás os investimentos continuam robustos para o desenvolvimento do pré-sal, que demanda um investimento expressivo em capital", disse Puga.

Enquanto isso, o setor automotivo deve investir 59 bilhões de reais no próximo quadriênio, montante praticamente estável ante o período de 2010 a 2013.

Por outro lado, setores como extrativa mineral, siderurgia, e sucroenergético devem reduzir investimentos, de acordo com o BNDES, em um cenário de queda nos preços de commodities como minério de ferro e crise na indústria de açúcar e álcool.

Durante os próximos quatro anos, a indústria extrativa mineral deve investir 40 bilhões de reais, queda de 8 por cento ante o período de 2010 a 2013. Já o de produção de aço investirá 12 bilhões de reais, 38,5 por cento a menos que no período de 2010 a 2013. O segmento de açúcar e etanol deve investir 25 bilhões de reais, queda de 40,5 por cento.

"O preço das commodities em queda é uma variável importante e determinante para alguns setores definirem seus investimentos", disse Puga.   Continuação...

 
Sede do BNDES no Rio de Janeiro. 20/08/2014. REUTERS/Pilar Olivares