Dificuldade em entender inflação aumenta risco de erros em política econômica, diz BIS

domingo, 28 de junho de 2015 12:15 BRT
 

Por Jamie McGeever

LONDRES (Reuters) - Bancos centrais com metas de inflação estão sob o risco crescente de erros na formulação de suas políticas porque estão tendo dificuldades de entender adequadamente o que move a inflação, disse o BIS (Banco de Compensações Internacionais) neste domingo.

O alerta do “banco central dos bancos centrais” vem no meio de um ano em que 29 autoridades monetárias ao redor do mundo aliviaram as suas políticas com o objetivo de estimular o crescimento, se contrapor à ameaça de deflação ou ambos.

Muitos bancos centrais, entre eles o Fed dos Estados Unidos, o Banco Central Europeu e o Banco da Inglaterra, têm metas inflacionárias usadas para determinar as suas políticas em maior ou menor grau.

No entanto, mudanças nas pressões domésticas e globais sobre preços, expectativas de inflação, tendências salariais e as dificuldades dos técnicos em entender essas alterações têm levado a um crescente questionamento da tal ortodoxia.

Quase oitos anos depois da crise financeira global, as taxas de juros no mundo nunca foram tão baixas.

“Vários fatores têm influenciado o processo inflacionário de maneiras que às vezes são difíceis de entender completamente. A alta incerteza é naturalmente passada para a previsão da inflação”, afirmou o BIS, com base na Suíça.

“As incertezas inevitavelmente complicam a política, especialmente em estruturas que são definidas por metas de inflações para horizontes curtos.”

O relatório disse que a passagem de preços de commodities e do câmbio para a inflação é bem compreendida, mas essas influências não são tão fortes agora como eram nos anos 1970.