Brasil tem pior déficit primário do ano em maio; BC piora projeção para dívida em 2015

terça-feira, 30 de junho de 2015 13:32 BRT
 

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O Brasil registrou déficit primário de 6,9 bilhões de reais em maio, o pior resultado do ano, diante do momento de debilidade da economia e que levou o Banco Central a piorar sua projeção para a dívida pública em 2015 nesta terça-feira.

A expectativa agora é que a dívida bruta chegue em 62,7 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015, contra 62 por cento visto em março. Em ambos os casos, os cálculos consideraram a meta de superávit primário equivalente a 1,1 por cento do PIB.

Somente em maio, ela ficou em 62,5 por cento do PIB, contra projeção do próprio BC de que atingiria 61,9 por cento.

O chefe adjunto do Departamento Econômico do BC, Fernando Rocha, apontou que a piora nas estimativas para 2015 levou em conta uma contração mais acentuada da atividade esperada para este ano, além de taxa de inflação e de juros superiores, implicando uma conta de juros também maior.

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, já havia apontado após assumir o comando da pasta no início do ano que buscaria levar a dívida bruta para a faixa de 50 por cento do PIB no longo prazo, o que ajudaria o país a melhorar sua nota de crédito soberano.

No curto prazo, apontou Levy, o desafio seria estabilizar o indicador. Mas essa tarefa vem se mostrando difícil diante do quadro de franca deterioração econômica. Em 2014, a dívida bruta chegou a 58,9 por cento do PIB, bem inferior ao percentual visto pelo BC para 2015.

Diante desse cenário, cresce o ceticismo dos especialistas.

"Eu creio que, para 2015, será impossível estabilizar isso, com sérias repercussões para 2016", afirmou o especialista em finanças públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV) Sergio Jund, acrescentando haver um cenário de humor negativo na sociedade.   Continuação...