Volkswagen decide deixar 2.357 trabalhadores de fábrica em SP em layoff

quarta-feira, 1 de julho de 2015 11:51 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Volkswagen vai suspender os contratos de trabalho de 2.357 metalúrgicos de sua fábrica de veículos em São Bernardo do Campo, na região metropolitana de São Paulo, informou o sindicato local nesta quarta-feira.

A suspensão, também chamada de "layoff" e que começa em 6 de julho, ocorre por conta da queda nas vendas da montadora no país, informou a entidade. A Volkswagen não comentou o assunto.

A montadora acumulou queda de 18,5 por cento nas vendas de automóveis de janeiro a maio deste ano ante mesmo período de 2014. Já as vendas de comerciais leves recuaram 32,6 por cento.

A fábrica de São Bernardo do Campo tem cerca de 12 mil funcionários, incluindo os áreas administrativas, e 8 mil na produção. O layoff valerá por cinco meses.

A unidade produzia em 2014 cerca de 1.400 carros por dia, mas o volume caiu para 800 atualmente, informou o sindicato. A fábrica produz os modelos Gol, Saveiro e Jetta.

O sindicato informou ainda que trabalhadores do terceiro turno da fábrica de São Bernardo que não estiverem em layoff estão sendo remanejados para os outros dois turnos de produção. O terceito turno emprega cerca de 1.800 funcionários.

No início do ano, trabalhadores, sindicato e Volkswagen fecharam acordo para garantia de emprego aos trabalhadores da fábrica até 2019. O acerto foi feito depois de uma greve contra anúncio de demissões de cerca de 800 funcionários da fábrica.

(Por Alberto Alerigi Jr.)